Boeing 787 volta a ser entregue num momento mais do que oportuno

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A Boeing pode ter retomado as entregas dos jatos 787 em um momento oportuno, já que a família de widebodies de última geração foi o terceiro tipo de jato de passageiros mais ativo no final de março, segundo uma medição feita pela nossa parceira Cirium através da utilização média de horas de voo semanais por aeronave.

Pouco mais de 760 Boeings 787 foram rastreados em voo na última semana de março, registrando o tempo médio de voo de 53 horas por aeronave, ​​uma sombra atrás da Família 777 com 54 horas por unidade, enquanto os quase 320 Airbus A350 gastaram mais de 58 horas no ar em média.

A United Airlines, em 26 de março, se tornou a primeira companhia aérea a receber um 787 desde outubro, depois que as entregas foram suspensas para permitir que o fabricante realizasse inspeções para garantir que as seções da fuselagem fossem unidas dentro das tolerâncias exigidas. A Boeing acumulou uma carteira de cerca de 80 jatos durante o hiato de entregas.

Boeings 787 ativos versus estacionados e a média de horas de voo por aeronave

Medido pela porcentagem da frota ativa na semana até 31 de março, o 787 ficou em segundo lugar com 77%, um pouco atrás da frota menor do A350 com pouco mais de 78% de jatos ativos.

Qatar Airways, China Southern, Virgin Atlantic, Air New Zealand e Turkish Airlines voaram todos os seus 787 pelo menos uma vez, enquanto a KLM e a Turkish fizeram em média quase 100 horas de voo por aeronave. A média móvel de sete dias para voos rastreados aumentou de 830 em meados de fevereiro para quase 1.100 em 31 de março.

Em 31 de março, a Cirium classificou 839 787s com status em serviço, enquanto 156 estavam armazenados. A Boeing mantém pedidos firmes de 495 aeronaves adicionais.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias