Boeing cede pilotos para Avianca Colômbia e irrita sindicatos

© Just Planes

Quatro sindicatos e associações de pilotos dos EUA estão questionando a ação da Boeing de enviar pilotos de 787 para a Colômbia para voarem os Dreamliners da Avianca, que demitiu diversos tripulantes após uma longa greve.




Segundo reportes, no mês passado a Avianca Holdings (formada pela Avianca Colômbia e TACA) recebeu uma dúzia de pilotos da Boeing. “Sendo intencional ou não, a Boeing proveu pilotos substitutos para a Avianca Colômbia, auxiliando e encorajando as ações escandalosas da administração da Avianca” disse o chefe da ALPA – Air Line Pilots Association em carta ao seu similar na Boeing, o CEO Dennis Muilenburg.

A declaração da ALPA foi em conjunto com a APA –  Allied Pilots Association e do sindicato de Engenheiros Aeronáuticos, que juntos representam 98 mil funcionários, sendo destes 50 pilotos da Boeing e 23 mil engenheiros da fabricante americana.

O porta voz da Boeing, Charles Bickers, disse que os 12 pilotos enviados para Bogotá não são funcionários da Boeing, mas sim trabalham para uma contratante que fornece pilotos para a Boeing. “Os pilotos que estão ajudando a Avianca são empregados de um fornecedor nosso, e não comentamos assuntos particulares de fornecedores.”

Suspeita-se que os pilotos são da Atlas Air, que opera o 747-400LCF Dreamlifter para a Boeing, uma versão modificada do jumbo que transporta peças entre as unidades da Boeing no globo. Segundo fontes reveleram à Forbes, estes pilotos ganham até $548 dólares por dia, e um dos requisitos para o cargo é não ter envolvimento com o sindicato.

Dreamlifter descarrega uma peça de 787 na fábrica da Boeing em Everett

“A administração da Boeing nos coloca em uma posição desconfortável. Esta ação representa uma atitude passiva sobre um comportamento anti-funcionários” disse o porta-voz da APA, Dennis Tajer.

As mesmas reclamações são ditas na Colômbia: Jaime Hernandez, presidente da Asociacion Colombiana de Aviadores Civiles – ACDAC, disse que os pilotos substitutos utilizam uniforme da Boeing e que segundo ele “foram os pilotos que a Boeing ofereceu à Avianca quando vendeu a aeronave, para treinamento das primeiras tripulações do Dreamliner da Avianca.”

Assim como a legislação brasileira, a colombiana afirma que “pilotos estrangeiros não podem voar aeronaves de linhas aéreas colombianas, exceto para caso de instruções e que não excedam seis meses de duração, podendo ser extendido para mais seis meses.”

Já a Avianca declarou que o governo da Colômbia através da autoridade de aviação civil do país autorizou a empresa a utilizar 12 pilotos estrangeiros de Boeing 787 de maneira temporária. Segundo a companhia, o suporte oferecido pela Boeing irá permitir a formação de novos pilotos colombianos na sua frota de longo curso.

Com informações Ted Reed da FORBES

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos