Boeing confirma o fim da produção do 747

No começo de julho, publicamos sobre a decisão da Boeing de cessar as vendas do Jumbo, colocando uma data final para a sua linha de produção 2022. Na época, segundo divulgado pelo portal The Drive, a empresa havia encerrado as vendas de maneira sigilosa, mas ainda faltava um anúncio oficial.

Esse anúncio parece ter saído hoje, primeiramente aos funcionários da fabricante e depois começou a ser replicado por jornalistas especializados no setor aéreo, como Jon Ostrower, do site The Air Current. Em sua conta no Twitter, Ostrower reporta sobre a confirmação do fim da linha para o 747.

Aos funcionários, a Boeing disse assim: “Enquanto nossas taxas de produção do 767 e 747 permanecem inalteradas, sob a luz da dinâmica corrente do mercado e as previsões, nós completaremos a produção do icônico 747 em 2022. Nosso compromisso com os clientes não termina aí, e nós continuaremos a prover suporte às operações do 747 no futuro”.

Com isso, restam apenas 16 jatos 747 cargueiros a serem construídos, sendo que este número pode ser até menor no final das contas, já que quatro destes são da Volga-Dnepr, que perdeu disputa judicial com a Boeing e pode desistir da encomenda. As outras 12 encomendas são da americana UPS, que está com pagamento em dia e tem recebido os 747-8F com normalidade. No ritmo de produção atual, até 2022 o último 747 irá sair da linha de montagem, que será encerrada após 54 anos.

Foi o Jumbo que levou a Boeing para Everett, uma cidadezinha ao norte de Seattle.

A fabricante, na época, começou com um terreno de 3,5 mil metros quadrados para produzir o Jumbo. Hoje, a unidade abriga a linha de produção dos modelos 747, 767, 777 e 787 Dreamliner, todos eles aviões de dois corredores. A fábrica, a qual visitamos e inclusive vimos a produção do 747, é o maior prédio do mundo em volume e em porta.

Vale lembrar que o último 747 de passageiros já foi produzido e saiu da linha de montagem três anos atrás, sendo entregue para a Korean Air.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Boeing 737 MAX ganha a luz verde dos coreanos

0
O Boeing 737 MAX foi recertificado na semana passada na Coreia do Sul, fazendo com que a China seja agora último grande mercado da aviação