Início Indústria Aeronáutica Boeing divulga dados do 1º trimestre, com prejuízo de US$ 641 milhões

Boeing divulga dados do 1º trimestre, com prejuízo de US$ 641 milhões

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram.

A Boeing divulgou nesta manhã seus dados financeiros relativos ao 1º trimestre de 2020, revelando queda de 26% na receita e um prejuízo de US$ 641 milhões.

Imagem: Boeing

A fabricante norte-americana registrou no período uma receita de US$ 16,9 bilhões, ou 26,2% a menos do que os US$ 22,9 milhões do mesmo período do ano passado, refletindo principalmente os impactos da COVID- 19 e a continuidade do aterramento do 737 MAX.

O fluxo de caixa operacional da Boeing foi negativo em US$ 4,3 bilhões, e seu resultado líquido no acumulado dos três meses foi um prejuízo de US$ 641 milhões, ante lucro de US$ 2,149 bilhões no mesmo trimestre de 2019.

À medida que a pandemia continua a reduzir o tráfego de passageiros das companhias aéreas, a Boeing vê um impacto significativo na demanda por novos aviões e serviços comerciais, com as companhias aéreas atrasando as compras de novos jatos, diminuindo o cronograma de entrega e adiando a manutenção eletiva.

Para alinhar os negócios à nova realidade do mercado, a Boeing está tomando várias ações que incluem a redução das taxas de produção de aviões comerciais. A empresa também anunciou uma reestruturação organizacional e de liderança para otimizar papéis e responsabilidades, e planeja reduzir os níveis gerais de pessoal com um programa de demissão voluntário e ações adicionais da força de trabalho, conforme necessário.

A Boeing também tomou medidas para gerenciar a liquidez no curto prazo, uma vez que se baseou em:

  • um empréstimo a prazo;
  • custos operacionais reduzidos e gastos discricionários;
  • prorrogou a pausa existente na recompra de ações e dividendos suspensos até novo aviso;
  • pesquisa e desenvolvimento reduzidos ou diferidos e dispêndios de capital; e
  • eliminou o pagamento de CEO e Chairman pelo ano.

O acesso a liquidez adicional será fundamental para que a Boeing e o setor de fabricação aeroespacial façam uma ponte para a recuperação, e a empresa está explorando ativamente todas as opções disponíveis. A Boeing acredita que poderá obter liquidez suficiente para financiar suas operações.

Resultados do segmento de aviação comercial

A receita do primeiro trimestre de aviões comerciais foi de US$ 6,2 bilhões, refletindo menores entregas impulsionadas pelo aterramento do 737 MAX, bem como os impactos da COVID-19.

A margem operacional do primeiro trimestre caiu para -33,3% devido ao menor volume de entrega, além de:

  •  US$ 797 milhões em custos de produção anormais da suspensão temporária da produção do 737 MAX;
  • uma cobrança de US$ 336 milhões relacionada aos custos de reparo dos pickle forks do 737 Next Generation;
  • margens mais baixas do 787 devido principalmente à COVID-19; e
  • US$ 137 milhões em custos de produção anormais da suspensão temporária das operações das fábricas da região de Seattle (Puget Sound) em resposta ao coronavírus.

Refletindo os impactos da pandemia no ambiente de demanda, a produção de aeronaves 737 MAX será retomada em baixas taxas em 2020, à medida que o tempo e as condições de retorno ao serviço forem melhor compreendidos e aumentem gradualmente para 31 por mês durante 2021, com aumentos graduais adicionais para corresponder a demanda de mercado.

Os custos estimados de produção anormais da suspensão temporária da produção do 737 MAX aumentaram em aproximadamente US$ 1 bilhão devido a premissas atualizadas da taxa de produção, elevando o total estimado para aproximadamente US$ 5 bilhões. Não houve alterações materiais nas estimativas de possíveis concessões e outras considerações para os clientes relacionadas ao aterramento do 737 MAX.

A taxa de produção do 787 será reduzida de 14 por mês para 10 por mês em 2020 e gradualmente reduzida para 7 por mês até 2022. A taxa de produção combinada do 777 / 777X será reduzida para 3 por mês em 2021. Atualmente, as premissas de taxa de produção não foram alteradas nos programas 767 e 747.

A divisão de aviões comerciais entrou 50 jatos durante o trimestre, a maior parte deles, 29, do modelo 787. A Commercial Airplanes capturou um pedido de 12 aeronaves 787 para a All Nippon Airways e produziu o 1000º 787 na Boeing South Carolina. A carteira de pedidos de aviões comerciais incluiu mais de 5.000 aviões avaliados em US$ 352 bilhões.

Informações pela Boeing

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram.

Sair da versão mobile