Boeing encerra silenciosamente as vendas do 747 e põe fim à produção do Jumbo

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Foto de Piergiuliano Chesi via Wikimedia Commons

A Boeing decidiu colocar um fim na história do 747 e, portanto, não venderá mais o Jumbo, colocando uma data final para a sua linha de produção 2022.

Segundo divulgado pelo portal The Drive, a empresa fechou de maneira sigilosa a venda do Jumbo, não aceitando mais nenhuma encomenda. Com isso, restam apenas 16 jatos 747 cargueiros a serem construídos, sendo que este número pode ser até menor no final das contas, já que quatro destes são da Volga-Dnepr, que perdeu disputa judicial com a Boeing e pode desistir da encomenda.

As outras 12 encomendas são da americana UPS, que está com pagamento em dia e tem recebido os 747-8F com normalidade. No ritmo de produção atual, até 2022 o último 747 irá sair da linha de montagem, que será encerrada após 54 anos.

Foi o Jumbo que levou a Boeing para Everett, uma cidadezinha ao norte de Seattle.

A fabricante, na época, começou com um terreno de 3,5 mil metros quadrados para produzir o Jumbo. Hoje, a unidade abriga a linha de produção dos modelos 747, 767, 777 e 787 Dreamliner, todos eles aviões de dois corredores. A fábrica, a qual visitamos e inclusive vimos a produção do 747, é o maior prédio do mundo em volume e em porta.

Vale lembrar que o último 747 de passageiros já foi produzido e saiu da linha de montagem três anos atrás, sendo entregue para a Korean Air.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Tripulantes reprovam por 93% dos votos a proposta de Convenção Coletiva...

0
Tripulantes atingem votação recorde e rejeitam a proposta do SNEA na renovação da Convenção Coletiva de Trabalho para o próximo biênio.