Boeing não vende nenhum jato em abril

A crise no 737 MAX parece ter afetado a Boeing de uma maneira muito mais séria que se esperava: a companhia fechou o último mês sem nenhuma encomenda, pelo contrário, os pedidos foram reduzidos!

Boeing 777F taxia para primeiro voo no Paine Field Airport em Everett, WA

O número de encomendas do Boeing 737 MAX teve uma redução de 171 aeronaves após o fim da indiana Jet Airways. Desde o início do ano a redução nos pedidos da família 737 foi de 207 segundo dados da FlightGlobal.

Outra redução nas encomendas foi no 787 Dreamliner: mais 10 cancelamentos de pedidos. Toda essa crise inclusive fez com que o valor do leasing (aluguel) do Boeing 737 MAX ficasse o mesmo do 737 NG.

Porém o relatório da Boeing do mês de abril aponta que foram quatro “novos” pedidos de 737 em abril mas que na verdade são transferências de slots de entrega (posições na linha de produção).

A Boeing Capital (empresa de leasing da fabricante) passou quatro slots de entrega para um cliente já existente. Entretanto a fabricante contou como novos pedidos mesmo que o número de entrega pendentes da Boeing Capital fora reduzido em quatro.

Já as entregas propriemante ditas foram apenas de 23 aeronaves, praticamente a metade comparado a abril do ano passado. Foram nove 737NGs, doze 787 Dreamliners, um 747 e um 777.

O efeito também afetou a área militar da empresa: no mês de abril a empresa não recebeu encomenda de caças F/A-18 Super Hornet, EA-18 Growler, F-15 Eagle ou dos jatos Boeing T-X, P-8 Poseidon ou KC-46 Pegasus.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos