Boeing negocia indenizações para vítimas dos acidentes com o MAX

A americana Boeing está negociando indenizações com as famílias das vítimas dos acidentes fatais envolvendo o 737 MAX, reportou o Wall Street Journal.

© Huy Do

As conversas começaram durante duas audiências no Tribunal de Chicago, onde a companhia tem sua sede administrativa e financeira. Existem atualmente mais de 100 processos nos EUA apenas contra a fabricante.

Alguns advogados estão querendo levar o processo para julgamento rápido, e para evitar isso a Boeing começou negociar indenizações. Os dois acidentes com o 737 MAX da Lion Air e da Ethiopian Airlines vitimaram 346 pessoas.

O Wall Street Journal estima que com as indenizações e compensações para as companhias aéreas, a Boeing terá que desembolsar até $3 bilhões de dólares. Vale lembrar que existem pilotos processando a companhia alegando estresse emocional, e o possível valor decorrente destas ações não está incluso.

A negociação com advogados de mais de 50 destes processos pode chegar a um acordo até o final de Agosto. “A Boeing e os autores nos processos envolvendo o voo Lion Air 610 chegaram a um acordo para trabalharem conjuntamente para que as indenizações sejam pagas sem a necessidade de um longo processo litigioso” declarou a fabricante.

Já o caso da Ethiopian Airlines que ainda está sob investigação da autoridade de aviação civil da Etiópia pode demorar mais. É normal que as partes não queiram chegar um acordo enquanto detalhes não foram revelados, que podem apontar “mais ou menos culpa”.

Por outro lado a Boeing tenta utilizar a cláusula conhecida como forum non conveniens que permite que o processo seja dispensado pelo juiz caso seja mais conveniente julgar o mesmo em uma corte de outro país, neste caso na Indonésia.

A medida funcionou para a Boeing em 2014, quando familiares processaram a Boeing sobre o sumiço do 777-300ER da Malaysian Airlines no voo MH370.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias