Boeing pode tirar toda produção do 787 da icônica fabrica de Everett

Boeing Fábrica Everett
Imagem: Maurice King [CC]

A agência de notícias Reuters publicou nesta segunda-feira, 21, que a Boeing planeja transferir toda a produção de jatos B787 para a unidade de North Charleston, Carolina do Sul. Com a mudança, a célebre fábrica da região de Seattle, no estado de Washington, onde a empresa nasceu, em 1916, pode ficar com atividades bastante reduzidas.

Segundo fontes da indústria ouvidas pela reportagem, a medida não estava nos planos da empresa, mas foi resultado de um robusto plano de corte de custos causado pela pandemia de COVID-19. Até 2019, a Boeing produzia números-recorde de 787 em seu hub de Everett ao norte de Seattle e, desde 2012, também na fábrica em North Charleston, Carolina do Sul.

Com a crise do novo coronavírus, a demanda por grandes jatos foi severamente reduzida e a estratégia de manter dois grandes polos de produção ativos foi posto a prova. Em julho, a empresa informou que cortaria a produção de 787 para seis unidades por mês em 2021, em comparação ao pico de 14 aeronaves por mês, antes da pandemia. Na mesma época, também lançou um estudo sobre a forma mais eficiente de produzir o jato, incluindo a possibilidade de mesclar a montagem em um único local. A empresa ainda sofre os reflexos do baque sofrido com a parada dos B737MAX em todo mundo.

De acordo com os executivos ouvidos pela Reuters, que não quiseram se identificar, o anúncio oficial deve ser feito no final de outubro, exceto em caso de guinada radical no planejamento da empresa. A decisão, no entanto, ainda precisa ser chancelada por Dave Calhoun, CEO da Boeing, mas deve ser tomada em questão de semanas para orquestrar a imensa cadeia de fornecedores da gigante. A Boeing não confirmou e nem negou a informação.

Apesar dos motivos alegados, informalmente, para a mudança serem apenas financeiros, a Reuters lembra que a Carolina do Sul oferece benefícios empresariais não disponíveis no estado de Washington, onde a empresa já teve problemas com sindicatos locais no passado. John Holden, presidente de um sindicato local ligado à Associação Internacional de Metalúrgicos, disse que a Boeing pode estar ameaçando uma mudança para obter concessões contratuais nos acordos com os representantes sindicais. Políticos do estado dizem que a companhia atua para não honrar compromissos legais com a cidade natal, o que a empresa nega.

A fábrica em North Charleston chegou a ser fechada em 8 de abril deste ano por causa do risco de contaminação pelo coronavírus. Foi reaberta quase um mês depois, em 4 maio. Atualmente, a Boeing utiliza o local para fabricar exclusivamente o 787 Dreamliner. Em Everett, a aeronave é produzida nas versões 787-8 e 787-9. O local foi a sede administrativa da empresa até 2001, quando foi transferida para Chicago. É o maior edifício do mundo em área construída.

Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias