Início Indústria Aeronáutica Boeing vê mercado na Ásia para um possível 737 MAX 10.

Boeing vê mercado na Ásia para um possível 737 MAX 10.

Durante uma apresentação na Associação de Companhias Aéreas do Pacífico e da Ásia, o vice-presidente sênior de vendas da Boeing na região, Dinesh Keskar, disse que a empresa tem um especial interesse para aeronaves de meio de mercado (entre o 737 e o 787) na região da Ásia e Oceania.

Ele pontuou que as companhias de baixo custo como a Lion Air e a VietJet, já demonstraram grande interesse no 737-9, e que também espera interesse similar em um futuro substitítuo do Boeing 757 que teria um alcance de 4.500 milhas náuticas (8334km) e capacidade para 250 passageiros.

“Quando você tem esse tipo de situação, você sempre começa a olhar no melhor custo de assento por milha voada, e obviamente se você tiver mais assentos, lhe dará um melhor custo, para qualquer um que quer algo maior que o 737 MAX” disse Dinesh.

Por agora, a Boeing continua a estudar o mercado e não fez nenhuma decisão em qual será sua opção para competir com o Airbus A321neoLR, que a companhia já admitiu como substituto natural do já antigo 757.

No mesmo evento, o vice-presidente apresentou a projeção da Boeing para o mercado do Sul da Ásia, que segundo a companhia irá precisar de 3.860 novas aeronaves nos próximos 20 anos, num valor de $565 bilhões de dólares, sendo 77% destas aeronaves, de corredor único como o 737 e o A321.

“Isto é por causa do domínio das companhias aéreas de baixo custo e por causa do número (baixo) de horas de cada voo” complementou Dinesh.

Para o mercado da Oceania, a Boeing espera que 1.020 aeronaves num valor de $160 bilhões de dólares nos próximos 20 anos. Destas, seriam 800 aeronaves de corredor único, 130 aviões de corredor duplo de pequeno porte (787-8 e A330neo) e 90 aeronaves de fuselagem larga de tamanho médio (787-9/10 e A350). A fabricante não vê demanda de grandes aeronaves de corredor duplo na região.

Vale lembrar que o A321 está substituindo o 757 nas principais companhias aéreas do EUA nas rotas-tronco domésticas, mas apesar da sua nova versão A321neoLR com 3.900 milhas náuticas (7.222km) de alcance, alguns especialistas não veem como o substituto à altura do Boeing 757 para rotas internacionais de médio curso como as operadas para a América Latina a partir dos EUA.

Adaptado da FlightGlobal. 

Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A
Sair da versão mobile