Boeings 747 russos levam incríveis 840 toneladas de equipamentos para produção de vacinas

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Foto ABC Divulgação

Um total de 840 toneladas de equipamentos estão sendo transportados pelos Boeings 747 da empresa de carga aérea russa AirBridgeCargo (ABC), que parte do grupo Volga-Dnepr, para habilitar as linhas de automação para a fabricação de recipientes das vacinas contra a Covid, informou a empresa em comunicado.

Os voos carregados de um tipo de polímero especial estão operando desde agosto ligando Frankfurt, na Alemanha, a Atlanta, EUA, a bordo dos Boeings 747-8F.

Yulia Celetaria, Diretora Farmacêutica Global, AirBridgeCargo Airlines comenta: “Já vemos uma demanda emergente para remessas relacionadas à vacina da COVID-19, cobrindo frascos, ampolas, injetores, bem como equipamentos de produção. É incrível perceber que o equipamento que transportamos hoje facilitará a produção de frascos plásticos mais seguros, que poderemos entregar mais tarde com as vacinas COVID-19 dentro, uma vez que os testes de Fase 3 sejam finalizados”.

8.000 jumbos

Espera-se que mais de 50% das vacinas COVID-19 sejam transportadas por via aérea, com as principais regiões de fabricação localizadas na Índia, China, Reino Unido, EUA e Europa. A IATA estima que 8.000 voos com Boeing 747 serão necessários para distribuir a vacina globalmente.

A AirBridgeCargo Airlines, bem como outras transportadoras do Grupo Volga-Dnepr, vem se preparando para o transporte de vacinas por meio do mapeamento de temperatura de todos os cargueiros da frota, incluindo Boeing 747F, Boeing 737F, Boeing 777F, An-124-100 / 150, Il-76TD-90VD.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias