Bombardier vende projeto Q400 e anuncia demissões

A fabricante Bombardier anuncia mais um passo rumo ao fim de sua participação no mercado aeronáutico: os seus turboélices Q400 agora serão da Viking Air, empresa canadense que já comprou outros projetos da De Havilland Canada (DHC), estatal que foi privatizada e vendida para a Bombardier anteriormente.




Avião Bombardier Dash 8 Q400

A negociação para a venda do projeto Dash 8, composto pelo Q100, Q200, Q300 e Q400, foi firmada em $300 milhões de dólares americanos. A compra foi feita pela Longview Aviation Capital, dona da Viking Air, que comprou todos os antigos projetos da DHC.

No ano passado falamos sobre a possibilidade do Q400 ser vendido como parte da saída da Bombardier do mercado da aviação civil comercial, uma vez que a divisão não conseguia atingir os resultados esperados.

Os sinais de que a fabricante canadense não estava bem surgiram logo após o projeto CSeries entrar em produção: o novo jato que faria frente aos EJets da brasileira Embraer sofreu diversos atrasos no seu desenvolvimento, custou mais do que o esperado e precisou de financiamento do próprio governo de Québec para se sustentar, e no final foi vendido para a Airbus.

Ao mesmo tempo as vendas com o turboélice Q400 não chegavam ao esperado e a aeronave não conseguiu fazer frente ao francês ATR em diversos mercados. Entre o Q400 e o CSeries existe ainda a série de jatos CRJ, baseados nos jatos executivos Challenger 600.

A família CRJ assim como a Challenger foi um sucesso de vendas, mas nos últimos anos a idade do projeto do final dos anos 70 pesou na escolha de diversas regionais americanas, que prefiriram os E-Jets da Embraer. Apesar de mais caros, os brasileiros oferecem mais conforto e possuem “cara” de um grande jato como Airbus ou Boeing.

Modelo Encomendas totais Encomendas em 2016
Dash 8 1225 25
ATR-42/72 1652 36
CRJ700/900/1000 858 19
E135/E145 925 0
E-Jets E1 1352 41
CS100/300 360 117
E-Jets E2 275 5




Demissões, venda da divisão de treinamentos e futuro incerto da série CRJ

Avião Bombardier CRJ1000

Jato regional CRJ1000. Imagem: Divulgação / Bombardier

A venda da família Dash 8 faz parte do programa de reestruturação da empresa, que deverá focar mais no negócio de trens e jatos executivos. Este último continua com bons resultados e planos da sua venda estão descartados.

Como parte desta reestruturação serão demitidos 5 mil funcionários nos próximos 18 meses. Além disso a divisão que cuidava do treinamento para pilotos de aviões Bombardier foi vendida para a também canadense CAE, líder mundial em fabricação de simuladores e programas de treinamento para pilotos.

A companhia também falou sobre o CRJ, que agora será o único avião não-executivo comercializado pela empresa. A venda deste projeto não está descartada.

“Após a parceria com a Airbus no projeto CSeries e a venda do Q400 para a Viking, a nossa atenção será toda para o projeto CRJ. Nós vamos continuar participando ativamente no mercado regional que estabelecemos, focando em reduzir custos e aumentar a produção enquanto otimizados o pós-venda deste mercado que hoje possui 1.500 CRJs em serviço pelo mundo. Enquanto trabalhamos para trazer de volta a rentabilidade do CRJ, também exploramos opções estratégicas para o programa.”

A Viking Air tem mantido a tradição de manter os nomes originais das aeronaves feitas pela DHC. Espera-se que o Q400NG seja comercializado como Dash 8 400 ou DHC-8-400. Nos últimos anos tivemos a oportunidade de voar em aeronaves oriundas da DHC como você pode conferir a seguir:

Voamos no novíssimo Dash-8 Q400 sobre o visual deslumbrante dos Andes chilenos

Voamos o versátil bi-motor canadense Twin Otter.

Com informações do jornal canadense CBC e da Assessoria de Imprensa da Bombardier.

Delta Air Lines recebe seu primeiro Airbus A220-100

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos