Brasil delega à Ucrânia a investigação do incidente do Antonov 124 em Guarulhos

Image01

Pouco mais de um mês atrás, acompanhamos um incidente no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP) no qual um Antonov AN-124, o segundo maior avião do mundo em capacidade de transporte de carga, passou além dos limites do final da pista durante o pouso.

A ocorrência aconteceu no dia 11 de maio, quando o enorme jato fabricado no meio da década de 1980 pela ucraniana Antonov Design Bureau, e atualmente operado pela própria empresa através de sua divisão Antonov Airlines, chegava em um voo que partiu no dia anterior de Miami, nos Estados Unidos, e fez uma escala em Paramaribo, no Suriname.

O pouso no aeroporto paulista ocorreu às 4h49 da madrugada, em um momento de incidência de densa neblina, o que por si só não representaria um motivo para o incidente, afinal, Guarulhos possui instrumentos para pousos nessas condições e pista suficientemente longa para a operação do Antonov AN-124.

A investigação e determinação dos fatores contribuintes e das prováveis causas da falha operacional, no entanto, não ficarão a cargo do CENIPA, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos do Brasil.

Como é de praxe, o órgão nacional publicou em seu sistema o registro do incidente, detalhando que, com dezenove tripulantes a bordo, durante o pouso na pista 09L de Guarulhos, ocorreu uma excursão de pista pela cabeceira oposta, com saída de aproximadamente 7 metros do trem de pouso do nariz em área gramada.

Porém, nesta última sexta-feira, 18 de junho, o Escritório Nacional de Investigação de Acidentes Aéreos da Ucrânia (NBAAI) publicou seu boletim mensal de segurança de voo referente ao mês de maio, e nele informou que o CENIPA delegou a investigação ao peritos ucranianos.

O comunicado do NBAAI descreve o seguinte:

“Durante o voo cargueiro ADB-3829 na rota Paramaribo (Suriname) – São Paulo (Brasil), o avião An-124-100M UR-82007, operadora pela “Antonov”, após pousar na pista 09L teve uma rolagem de seu trem de pouso dianteiro a 3 metros para fora do pavimento, e como resultado da excursão de pista, a aeronave não foi danificada, e todas as pessoas a bordo não ficaram feridas. A investigação do incidente grave foi delegada à NBAAI pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes de Aviação (CENIPA) do Brasil.”

Para relembrar todos os detalhes e ver mais imagens do incidente, clique aqui ou no título logo abaixo.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias