Brasil está liderando recuperação da aviação no ocidente, aponta FlightRadar24

O maior aplicativo de rastreamento de voos do mundo divulgou dados que mostram que o Brasil está liderando a recuperação da aviação no Ocidente.

Os dados foram apurados pelo FlightRadar24, site líder em rastreamento de voos no mundo. Por conta disso, os números apontam apenas voos reais e que foram captados pela ferramenta, sendo que o número pode ser maior, mas nunca menor.

Em outubro e novembro o FR24 registrou 73.530 decolagens de voos comerciais em aeroportos brasileiros, que comparados aos 126.945 do ano passado, resulta numa queda de 42% em média. Porém, se olhar para a tendência, apenas no mês de novembro, a queda foi de 37,5% quando comparado ao ano passado.

Um exemplo citado pela ferramenta é o Aeroporto de Altamira, no Pará. Em 2019 a Azul operou 30 voos para lá durante os dois últimos meses, e neste ano durante o mesmo período foram 58 voos, um aumento de 93%. A empresa fundada por David Neeleman também se destaca na retomada de suas rotas, exatamente por focar mais no mercado doméstico e regional.

Conforme gráfico, a Azul fez 77% das decolagens em outubro e novembro desse ano quando comparado ao ano passado. O número na GOL é 53,2% e na LATAM é de 48,3%. Segundo Gabriel Leigh, a recuperação da Azul se dá exatamente pela menor exposição no mercado internacional, enquanto a LATAM foi seriamente afetada pelo fechamento da fronteira dos países vizinhos, onde tem forte atuação.

Empresas estrangeiras no Brasil

Quando se fala de empresas aéreas do exterior, a figura muda um pouco, com as companhias de menor presença tendo a maior recuperação.

A TAP, que é de longe a empresa estrangeira com maior presença no Brasil, fez apenas 40% das decolagens em outubro e novembro de 2020 quando comparado a 2019. Os números da empresa portuguesa não são tão animadores: os números foram de 1.300 decolagens em dois meses para 515.

Olhando para o norte, a American Airlines, que lidera o mercado entre EUA e Brasil, teve uma queda ainda maior: voando apenas 25% da malha comparado ano a ano.

As surpresas (positivas) ficam por conta da Qatar Airways com 71% dos voos e a holandesa KLM com 74,5% no mesmo período. Mas o recorde está com as empresas “vizinhas” latino americanas.

A Copa Airlines, que segue o modelo da TAP e voa para diversas capitais brasileiras, voou no Brasil nos últimos dois meses apenas 15% do que voava em 2019. Na lanterna, está a Aerolíneas Argentinas, que devido ao fechamento do país hermano, teve apenas 6,59% das decolagens comparando ano a ano.

Por fim, a análise conclui que o Brasil realmente se destaca nos voos domésticos, mas tem tendências diversas no mercado de voos internacionais. Segundo Gabriel, que também cita o protagonismo da GOL em ser a primeira do mundo a voltar a voar com o 737 MAX, “o Brasil como sempre, é um país para se estar de olho”.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Companhia aérea afegã convoca apenas tripulantes homens para voltarem ao trabalho

0
A companhia aérea de bandeira do Afeganistão, Ariana Afghan Airlines, está se preparando para retomar os voos internacionais