Campo de Marte terá áreas licitadas para restaurante e escolas

Campo de Marte
Imagem: Divulgação / Infraero.

A Infraero publicou duas licitações para exploração de duas áreas comerciais no Aeroporto de Campo de Marte (SP). Os espaços, que somam mais de 3 mil m², serão operados por concessionários que prestarão serviços de centro de treinamento e exploração comercial num dos principais mercados de aviação geral. O Campo de Marte é o oitavo terminal em números de pousos e decolagens do país, operando exclusivamente aviação geral e militar.  

Uma das licitações é para exploração comercial de bar, restaurante e lanchonete e será aberta no dia 2/9, quando a Infraero receberá propostas para o lote de 1,7 mil m², que conta com edificações que poderão ser alteradas pelo futuro operador. A disputa será por melhor lance mensal, com preço inicial partindo de R$ 25 mil. O prazo da concessão é de 24 meses.  

Já a outra licitação será para concessão de área destinada a um centro de treinamento ou formação técnica, podendo envolver ainda escola de idiomas, de ensino superior ou técnico ou cursos preparatórios e profissionalizantes. Essas atividades ocuparão uma área de 1,3 mil m², cujas instalações poderão ser modificadas pelo futuro concessionário. Para esta contratação, o valor mensal mínimo é R$ 8 mil e a vigência do contrato é de 24 meses. 

Perfil  

Campo de Marte tem uma localização privilegiada por estar na Zona Norte de São Paulo, próxima ao Terminal Rodoviário do Tietê, à estação Carandiru do metrô, e à Marginal do Tietê, que é via de acesso às rodovias estaduais e interestaduais. As 72.376 aeronaves que pousaram no terminal em 2018 transportaram 118.872 passageiros. A média mensal de pouso e decolagem do ano passado foi de 6.031 movimentos, sendo que cerca de 55% referem-se às operações com helicópteros. O aeroporto possui infraestrutura que permite pouso e decolagem noturnos em uma pista de 1.600 metros, e um heliponto. 

Informações da Infraero

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.