Canadá regula uso de maconha por pilotos e controladores

O Canadá regulou na semana passada o uso de maconha por pessoas em atividades essenciais à aviação como pilotos, comissários e controladores de voo.

O uso recreativo da maconha no país foi liberado em outubro do ano passado e desde então diversos setores tem regulado o uso de maconha para seus trabalhadores.

Agora o agência de transporte do país (Transport Canada) criou uma regra: nenhum tripulante ou controlador de voo pode usar maconha nos últimos 28 dias antes do seu início de trabalho.

Exemplo: o piloto fez uso de maconha hoje dia 10, ele só poderá trabalhar a partir do dia 8 de julho, antes disso é ilegal. Mas essa nova regra não invalida o regimento interno das companhias, a Air Canada e a WestJet continuam proibindo o uso da droga mesmo fora do trabalho.

A medida vem após estudos sobre o efeito da droga de maneira moderada. Por exemplo os militares podem fazer uso da droga até 24h antes de entrar em serviço caso envolva manuseamento de armas.

Já a regra de 28 dias se aplica aos militares se o serviço envolver salto HALO/HAHO (salto de alta altitude entre 15 mil e 35 mil pés), treinamento em câmara hiperbárica ou voos em aviões militares.

Regulação no Brasil

No Brasil o uso de maconha é probido por qualquer pessoa envolvida em operações aéreas seja em solo ou voo. Os testes de cabelo/pelo (mesmo utilizado por caminhoneiros) detecta o uso da droga num espaço de 15 dias até seis 180 dias antes do exame.

Porém uma Instrução Suplementar da ANAC de 2018 impede que esse tipo de exame seja feito em tripulantes (pilotos, comissários e mecânicos de voo).

O teste com uso da matriz queratina (fio de cabelo) avalia o uso retroativo de substâncias psicoativas em até 180 dias, mas não verifica se o tripulante está sob efeito de uma substancia psicoativa no momento e não afere um padrão de consumo ―algo que violaria o direito constitucional à privacidade.

Neste sentido, o os testes ideais para se atingir o objetivo são o etilômetro (bafômetro) e o teste de saliva. Na ausência deste, o teste de urina. Estes testes podem aferir o “uso recente” de substâncias proibidas, conforme pede o Regulamento Brasileiro de Aviação Civil número 120.

Com informações do Global News Canada

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos