Cão ganha upgrade e troca porão do avião pela classe executiva no dia do seu aniversário

Um cão galgo inglês de nome Lewis passou por uma experiência na classe executiva da Singapore Airlines, uma das empresas aéreas mais premiadas do mundo, num voo entre Sydney (Austrália) e Roma (Itália), com escala em Cingapura. Com a viagem aprovada pelo governo australiano e com o avião quase vazio, a empresa aérea resolveu permitir que a dona levasse o animal consigo na cabine de passageiros, enquanto estava de mudança para a Europa.

Não apenas isso, mas, por ser um dia especial para Lewis, a empresa aérea preparou uma surpresa, que contou até com festa de aniversário a bordo. Sentado na primeira fileira, o cão parecia estar gostando do passeio mais confortável do que o porão. Além disso, os comissários a bordo lhe serviram com comidas diversas.

Segundo o site de notícias australiano Executive Traveller, a tripulação disse que Lewis foi o melhor cão que já tiveram, incluindo cães de serviço totalmente treinados. No passado, Lewis era um cão de corridas, que foi resgatado pela pela Greyt Grays Rescue, entidade que trata e conduz à adoção os cães usados em competições e depois abandonados.

Evitou o porão

Lewis deu sorte.

Se o animal de estimação for muito grande para caber embaixo do assento e um jato privado não for uma opção, a única alternativa da maioria das companhias aéreas é transportá-lo no porão, acondicionado adequadamente, mas dentro de seu cubículo. Em geral, o transporte de um animal de estimação no compartimento de carga é muito seguro quando as devidas precauções são tomadas”.

Os cães e gatos que voam no porão cargas devem viajar em um compartimento bem ventilado e rígido. A maioria das companhias aéreas exige que a caixa tenha uma parte superior e uma base sólidas (ou seja, sem aberturas de ventilação) e pelo menos três lados com ventilação. Algumas empresas quatro lados ventilados para viagens internacionais.

Os animais de estimação são colocados em um compartimento pressurizado com controle de temperatura abaixo da cabine de passageiros da aeronave e mantidos separados da bagagem e outras cargas. Dado o nível de estresse causado por viagens, a maioria das companhias aéreas exige um certificado de saúde atualizado de um veterinário licenciado para confirmar se o cão ou gato está bem de saúde. 

Pelo mesmo motivo, muitas companhias aéreas também proíbem cães e gatos braquicefálicos de voar no porão de carga. Essas espécies têm nariz arrebitado e incluem buldogues franceses, terriers de Boston, pugs, shih tzus e boxers.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias