Casal é preso por embarcar em avião mesmo sabendo que ambos tinham coronavírus

Avião Boeing 757-300 United

Um casal do Havaí foi preso e agora enfrentará um processo sob as acusações de imprudente e exposição de outras pessoas ao risco depois que embarcaram em um avião sabendo que tinham testado positivo para o coronavírus, disseram as autoridades.

Uma matéria do Washington Post sobre o caso diz que, de acordo com a polícia, o casal Wesley Moribe, 41, e Courtney Peterson, 46, de Kaua’i, sabiam que tinham testado positivo para quando embarcaram em um voo da United Airlines de San Francisco para o Aeroporto de Lihue, no fim de semana.

As autoridades disseram que o casal participou do programa de testes pré-viagem da Califórnia e fez um teste de COVID-19 antes do voo. Segundo o Hawaii News Now, dado o resultado, eles foram levados para a estação de quarentena do aeroporto no Aeroporto Internacional de San Francisco e instruídos por funcionários a se isolarem e não viajarem.

Foto da Policia

No entanto, Moribe e Peterson decidiram embarcar no voo de qualquer maneira, acompanhados por uma criança de 4 anos. Ao verem que os dois não estavam mais na quarentena, os funcionários acionaram a polícia.

Eles fizeram o voo, no entanto, a polícia de Kaua’i já os esperava na porta do avião e disse que os dois foram detidos depois de chegarem a Lihue. Eles foram escoltados pela polícia até uma sala de isolamento designada e presos.

Os dois foram libertados após pagar fiança de US$ 1.000 cada. Eles serão processados por terem colocado os demais passageiros em risco, informou a KNTV.

“Eles intencionalmente embarcaram em um voo sabendo dos resultados positivos do teste, colocando os passageiros do voo em risco”, disse a polícia de Kaua’i.

“O Departamento de Polícia de Kauai, trabalhando ao lado de nossos parceiros do condado e do estado, permanece diligente na proteção da saúde e segurança de nossa ilha”, disse o chefe de polícia Todd G. Raybuck ao KITV . “Continuamos a solicitar aos visitantes e residentes que sigam as regras de emergência do governador e tomem todas as precauções necessárias para evitar a propagação do COVID-19.”

A United Airlines divulgou um comunicado após as prisões.

“A saúde e a segurança de nossos funcionários e clientes é nossa maior prioridade, e é por isso que temos várias políticas e procedimentos em vigor como parte de um embarque em várias fases para criar um ambiente de viagem mais seguro”, declarou a United Airlines. “Antes de viajar, todos os clientes da United devem preencher uma lista de verificação ‘Pronto para voar’, reconhecendo que não foram diagnosticados com COVID-19 nos últimos 14 dias. Estamos investigando esse assunto para avaliar a capacidade desses passageiros de voar pela United no futuro”.

Ou seja, eles devem ser banidos pela United Airlines.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias