Casal gera polêmica ao voar sem a filha de 2 anos após problema com uso de máscara

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Uma polêmica tomou conta das redes sociais depois que um casal fez uma viagem de lazer deixando para trás sua filha de dois anos, após um problema relativo ao uso de máscara em um voo anterior.

Tudo começou no início de dezembro, quando o casal voaria em férias de Denver para Nova Iorque com a garotinha, mas foi expulso do voo por não ter conseguido fazer com que ela usasse a máscara facial.

Em um vídeo publicado nas redes sociais em 11 de dezembro, a mãe Eliz Orban comentava com lágrimas sobre a expulsão para sempre dos voos da United Airlines e mostrava a cena de seu marido tentando colocar a proteção na filha a bordo.

Em seguida, é possível ver a chegada de um agente da United, que os informa de que deveriam deixar a aeronave por conta de não seguirem as normas da companhia, que definem que qualquer criança a partir dos 2 anos também deve utilizar máscara. Veja o vídeo:

Apesar da afirmação de Eliz, a United informou que não baniu para sempre a família, mas apenas os retirou do voo pela impossibilidade de prosseguir sem o cumprimento do protocolo, tendo ressarcido o valor das passagens.

Algum tempo depois, ao final de dezembro, o casal decidiu fazer uma nova viagem, dessa vez para a Florida após terem ganhado duas passagens aéreas de primeira classe em voo na Delta Air Lines.

Em foto publicada no Instagram, o casal está no aeroporto prestes a embarcar, e Eliz descreveu que ainda se sentia muito triste e humilhada com o acontecimento recente, e com o coração partido por deixar a filha para trás, embora estando ela em boas mãos durante a ausência dos pais.

Mas foi aí que a polêmica teve início. Embora muitas pessoas tenham apoiado o casal e criticado a United Airlines pela decisão, desejando-lhes boa viagem, outras pessoas tiveram uma visão contrária e criticaram o casal por dois motivos.

Primeiro, porque a Delta Air Lines não faz a mesma restrição, de forma que a garota poderia ter sido levada no segundo voo mesmo sem máscara, ao que Eliz respondeu que ligou para a companhia aérea, mas não conseguiu uma confirmação de que realmente poderia levar sua filha sem a proteção.

Segundo, porque o casal deveria ter evitado de viajar em meio aos riscos de contaminação pela Covid-19 e, principalmente, em vistas da necessidade de deixar a garotinha para trás. Se era tão “de partir o coração” não levá-la, então por que foram?

E você, leitor, o que pensa sobre a situação? Concorda com os que apoiam ou com os que criticam o casal?

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Acordo de “céus abertos” entre Brasil e Canadá é aprovado na...

0
Os acordos de serviços aéreos têm conferido maior abertura às empresas aéreas no estabelecimento de rotas e frequências de voos.