Caso raro na pandemia: Turkish Airlines promete não demitir ninguém até 2022

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A estatal turca Turkish Airlines está focada em manter seus níveis de pessoal por dois anos, ainda que a pandemia do novo coronavírus devaste o setor aéreo no período. A confirmação foi dada por Ilker Ayci, presidente da companhia, em entrevista ao site de notícias Haberturk.

Segundo o presidente, os dois próximos anos serão desafiadores e terão como foco a construção de uma empresa para o futuro pós-pandemia, bem como na preservação dos empregos. Embora esteja navegando contra a correnteza e na contramão do setor, que a cada dia reporta novos casos de redução de pessoal e de frotas, o executivo demonstra consciência com a gravidade do problema: “É improvável que a receita das companhias aéreas globais se recupere para os níveis de 2019 pelos próximos dois anos”, disse ele.

Obviamente, todos sabemos que “não existe almoço grátis” e que alguém pagará essa conta e, mesmo com o apoio do estado, a empresa terá fazer sacrifícios para enfrentar esse período.

Para tanto, a Turkish Airlines está avaliando novas formas de financiamento, que incluem a venda de aeronaves com subsequente leasing ou a aposentadoria de aviões mais antigos. Em março, a frota da Turkish chegava a 350 aeronaves. “A prioridade é que a empresa resolva seus desafios de financiamento por conta própria”, disse o presidente.

É interessante observar, no entanto, que o presidente falou também sobre a redução de escritórios no exterior e da frota, mas, ainda assim, sustenta a projeção de não demitir ninguém do seu pessoal. Desta forma, a conta dificilmente vai fechar, por mais que a empresa se esforce em gerar caixa, e isso deve resultar em futuras ações do estado, sobretudo com aportes de recursos.

Após tudo isso, e como medida óbvia, o executivo também deixou claro na entrevista que o preço do bilhete vai aumentar.

Segundo o último balanço da empresa, a quantidade de passageiros caiu 53% em março desse ano, comparado com o ano passado. O número ainda não considera o bloqueio de fronteiras e a parada total de sua frota, no mês de abril.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias