Cathay Pacific informa ocupação de apenas 13% dos assentos em seus voos em janeiro

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A Cathay Pacific, principal companhia aérea de Hong Kong com frota de mais de 150 aviões de grande porte, enfrenta um início de 2021 tão ou mais desafiador do que o difícil ano de 2020.

A volta do crescimento dos casos de Covid-19 no mundo todo no final do ano passado, com a consequente retomada dos fechamentos de fronteiras para viajantes aéreos, resultou em quedas significativas da demanda por voos, e o impacto foi bastante severo para a companhia asiática.

Altamente dependente das rotas internacionais por se localizar em um território de pequenas dimensões, a Cathay já havia reportado que a ocupação média de assentos em suas aeronaves em operação tinha sido de apenas 18,4% em dezembro de 2020. Agora, a nova atualização operacional referente a janeiro de 2021 mostra que o parâmetro continua em “queda livre” e chegou ao menor valor desde que a pandemia surgiu.

Segundo os dados apresentados na última semana, a empresa transportou 30.410 passageiros no mês passado, o que representa queda de 99% em relação a janeiro de 2020, e uma consequente taxa de ocupação de 13,3% em seus voos, ou seja, os aviões estiveram voando com 86,7% de seus assentos vazios.

Veja a seguir mais detalhes divulgados pela Cathay Pacific sobre o difícil mês de janeiro e as perspectivas para fevereiro.

Resumo

A Cathay Pacific divulgou seus números de tráfego para janeiro de 2021, que continuaram a refletir as reduções substanciais de capacidade da companhia aérea em resposta à demanda reduzida, bem como restrições de viagens e requisitos de quarentena em vigor em Hong Kong e em outros mercados em meio à atual pandemia de COVID-19.

A Cathay Pacific transportou um total de 30.410 passageiros no mês passado, uma redução de 99% em comparação com janeiro de 2020. A receita do mês com passageiros por quilômetro (RPKs) caiu 98,7% ano-a-ano. A taxa de ocupação de passageiros caiu 71,4 pontos percentuais para 13,3%, enquanto a capacidade, medida em assento-quilômetro oferecido (ASKs), diminuiu 91,8%.

A Cathay Pacific transportou 108.930 toneladas de carga e correio no mês passado, uma diminuição de 28,3% em comparação com janeiro de 2020. A receita do mês com frete toneladas quilômetros (RFTKs) caiu 21,7% ano-a-ano. O fator de ocupação de carga e correio aumentou em 19,3 pontos percentuais para 79,4%, enquanto a capacidade, medida em tonelada de frete disponível quilômetros (AFTKs), diminuiu 40,7%.

Passageiros

Ronald Lam, diretor comercial e de clientes do Cathay Pacific Group, disse:

“2021 já teve um começo difícil. Muitos dos desafios de 2020 continuaram em janeiro, enquanto uma série de novos também surgiram, notavelmente novas cepas da COVID-19 e bloqueios mais severos em alguns de nossos mercados.

Nossa capacidade de janeiro diminuiu cerca de 6% em relação a dezembro de 2020. Isso foi em grande parte devido à proibição contínua do governo de Hong Kong sobre a chegada de voos do Reino Unido. Só retomamos os voos de passageiros de Hong Kong para Londres no meio de janeiro, operando apenas cinco desses voos no restante do mês.

Além de alguns bolsões de demanda intra-asiática, a demanda geral permaneceu muito fraca. Transportamos uma média de apenas 981 passageiros por dia em janeiro, a primeiro vez que esse número caiu para menos de 1.000 desde junho do ano passado, enquanto a taxa de ocupação foi a mais baixa já registrada, com apenas 13,3%.”

Carga

“A demanda de carga de Hong Kong e do continente chinês desacelerou um pouco nas duas primeiras semanas de janeiro, mas começamos a fortalecer na segunda metade do mês à medida que se aproximou o feriado do Ano Novo Chinês.

A desaceleração em nossos principais mercados forneceu a oportunidade de aumentar a capacidade em outros lugares em nossa rede, principalmente Sudoeste do Pacífico e Nordeste da Ásia. Perecíveis, frutos do mar vivos e automotivos e produtos eletrônicos proporcionaram crescimento substancial em cargas prioritárias e volumes especiais.

Nosso recém-lançado serviço cargueiro sazonal para Hobart, que agora desfrutou de um mês inteiro de operação, foi bem recebido e contribuiu significativamente para o desempenho positivo do Sudoeste do Pacífico.

Continuamos a fornecer capacidade adicional ao mercado na forma de 489 pares de voos de aviões de passageiros levando apenas carga e mais voos charter de nossa subsidiária totalmente cargueira, a Air Hong Kong.”

Perspectiva

A partir de 20 de fevereiro de 2021, o Governo de Hong Kong está implementando novas medidas de quarentena mais rígidas para nossos pilotos e tripulação de cabine em Hong Kong quando eles voltam para Hong Kong após o serviço. A Cathay Pacific está gerenciando ativamente seus recursos de tripulação para planejar seus serviços de voo avançando à luz destes novos requisitos.

Lam disse:

“Como transportadora de Hong Kong, faremos tudo o que pudermos para manter conexões vitais para passageiros e carga dentro e fora de Hong Kong. Nós agradecemos aos muitos pilotos e tripulantes de cabine que se ofereceram para realizar o arranjo de voo na quarentena. Seu profissionalismo e comprometimento são profundamente apreciados.

Olhando para o futuro, vimos uma demanda de carga saudável em fevereiro até o Feriado do Ano Novo Chinês antes de desacelerar na segunda metade do mês. No geral, esperamos que nosso forte desempenho de carga em 2020 continue em 2021.

No entanto, enquanto as medidas de quarentena rigorosas continuarem em vigor em Hong Kong e outros lugares, os próximos meses serão extremamente desafiadores.

Nossa capacidade de adaptação rápida será fundamental para o nosso negócio e permaneceremos ágeis em ajustar nosso plano de malha de acordo com a demanda do mercado.”

Com informações da Cathay Pacific

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Airbus vende 56 aviões para a Índia e 40 deles serão...

0
É o primeiro programa aeroespacial 'Make in India' no setor privado, envolvendo o desenvolvimento de um ecossistema industrial completo.