Início Empresas Aéreas CEO da Ryanair é acusado de racismo após fala sobre muçulmanos e...

CEO da Ryanair é acusado de racismo após fala sobre muçulmanos e obesos

O CEO da Ryanair, Michael O’Leary, 58 anos, está enfrentando duras críticas depois de dizer que homens muçulmanos deveriam ser investigados com mais cautela nos aeroportos e que pessoas obesas são “monstros”. Dono de uma personalidade forte, ele é conhecido mundialmente pelas declarações polêmicas.

Foto de Arpingstone / Public domain via Wikimedia Commons

Os comentários do executivo foram feitos durante uma entrevista ao The Times, quando ele disse que “homens de persuasão muçulmana” que viajam sozinhos têm mais probabilidade de levarem “bombas” e representam um risco maior para as companhias aéreas do que outros passageiros.

Ele continuou dizendo que a análise de perfil (ou investigação antes do embarque) das famílias muçulmanas não precisa ser tão rigoroso porque “as chances de que um membro vá explodir sua família inteira são próximas de zero”.

Ele diz ser vítima do politicamente correto

“Você não pode dizer nada, que já é tachado de racismo”, disse O’Leary, que ocupa o cargo de CEO da Ryanair desde 1994. “Trinta anos atrás, eram os irlandeses a ameaça (referindo-se ao IRA). Se é daí que a ameaça vem, lide com a ameaça.”

O’Leary, um dos homens mais ricos da Irlanda, enfrentou críticas de grupos de monitoramento de crimes de ódio, como o Tell Mama, e de grupos muçulmanos, que acusam o CEO de islamofobia (algo como discriminação com relação a religião muçulmana).

O Conselho Muçulmano da Grã-Bretanha disse ao Guardian: “Essa é a própria definição de islamofobia. A discriminação institucional contra muçulmanos está bem estabelecida e afeta a capacidade de conseguir um emprego, comprar um apartamento ou até mesmo obter um seguro de carro. Os problemas que os muçulmanos têm de viajar já são bem grandes em todo o mundo”.

“É uma pena que esse racismo esteja sendo expresso tão abertamente e que o CEO de uma grande companhia aérea deseje discriminar seus clientes com tanta ousadia”. A Ryanair voa, inclusive, para vários países árabes cuja maior parte da população é de muçulmanos.

A Ryanair tentou remediar

A Ryanair disse à Sky News que as declarações de O’Leary foram “simplesmente mal interpretadas”.

“Michael estava pedindo apenas verificações de segurança aeroportuária mais eficazes, o que acabaria com muitas das filas desnecessárias de segurança para todos os passageiros”, disse um porta-voz.

Mas ele ainda chamou os gordos de “monstros”

Além da fala sobre os muçulmanos, O’Leary também disse que a necessidade de instalações para cadeiras de rodas em cada andar de um escritório que ele construíra em Dublin era “um absurdo completo”.

Além disso, descreveu os passageiros obesos das companhias aéreas como “monstros”, dizendo: “Se você viaja com monstros completos, pode precisar comprar dois assentos”

O’Leary não passa longe das polêmicas. Ele já propôs que os passageiros pagassem pelo banheiro do avião, viajassem em pé e até se vestiu de papa para lançar a nova rota de Dublin para Roma.

Ele também tem se mostrado em desacordo com o governo do Reino Unido nos últimos tempos, ameaçando tomar medidas legais sobre o resgate da aérea regional Flybe e criticando o ex-secretário de transporte Chris Grayling sobre o planejamento Brexit.