Em vídeo, CEO da LATAM Brasil fala sobre o impacto da RJ para a filial brasileira

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

O CEO da LATAM Brasil, Jerome Cadier, dirigiu-se aos funcionários logo após o anúncio de que o grupo entrou com pedido de Recuperação Judicial.

No vídeo, que você assiste acima, o CEO comenta sobre a decisão do grupo de pedir a Recuperação Judicial sob o Chapter 11 nos EUA e como isso irá impactar a empresa.

“Nossas operações irão continuar normais, as empresas irão continuar a pagar salários, seus fornecedores críticos e a operação irão continuar como de costume”, disse Cadier.

Ele afirma que nada irá mudar no Brasil, mas que a empresa vai continuar o que já vem fazendo desde o começo da crise do novo coronavírus, ou seja, “buscar alternativas de redução de custos e adequar o tamanho da companhia para essa nova realidade da demanda”.

Outro ponto citado por Cadier são as negociações com o governo e o BNDES para linhas de financiamento. O executivo não cita ainda como será efetivado esse crédito, que é mais complicado de se obter pela LATAM do que por suas congêneres. Isso acontece porque, enquanto Azul e Gol são listadas na Bolsa de Valores de São Paulo, a LATAM Brasil não é. E parte do acordo envolve um investimento do governo em participações das empresas aéreas.

Segundo a estrutura atual, a única saída para a empresa poderia se dar através da listagem de BDRs na B3. Os BDRs são os Brazilian Depositary Receipt, que são certificados de investimentos em fundos listados em bolsas estrangeiras, como a de Nova Iorque. No entanto, esse certificados não são ações, e sim títulos de um fundo de investimento, o que dá menos poder para o investidor, no caso o BNDES.

Outro ponto é que a proposta do governo envolveria aporte de bancos privados e de quaisquer investidores do mercado. Porém, a burocracia do BDR pode afastar estas partes, principalmente as pessoas físicas que investem na B3 e que seriam 20% do aporte total.

As ações da LATAM despencaram na bolsa de NYSE, chegando ao valor de $1,68 dólar por ação com uma queda de 34,88%.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias