Chefe da segurança da israelense El Al acusado de traficar 150 kg de coca em voos

El Al Israel
Boeing 777 da El Al

Um chefe de segurança da companhia aérea israelense El Al foi acusado de ajudar a traficar 150kg de cocaína para o país. Rami Yogev trabalha há 25 anos na companhia, sendo uma das pessoa-chave na parte de segurança da companhia, e que deveria proteger as aeronaves a fim de evitar que ilícitos fossem levados a bordo.

Mas, ao contrário disso, ele foi preso junto com seis outras pessoas, acusado de levar um total de 150 kg de cocaína em dez voos da companhia de Joanesburgo, na África do Sul, para Tel Aviv, em Israel, ao longo de um período de sete meses.

Os casos aconteceram em 2018, sendo que os suspeitos foram presos meses depois do ocorrido, mas a sentença final só saiu agora segundo o jornal The Times of Israel.

A droga entrava no avião em Joanesburgo como uma bagagem de mão de algum passageiro. Na chegada em Israel, Rami ia até a aeronave, pegava a bagagem e passava com ela por fora da alfândega, driblando a fiscalização.

O caso só foi descoberto quando um passageiro desembarcou com drogas na mala, vindo exatamente de Joanesburgo e foi pego, delatando o esquema. Rami, que também foi chefe da segurança do Primeiro Ministro de Israel quando trabalhava na Shin Bet (Shabak), que é a agência de inteligência interna, equivalente à NSA nos EUA ou a ABIN no Brasil.

Segundo dados do portal Statista, 150 kg de cocaína em 2017 tinha um valor aproximado de $14,4 milhões de dólares, equivalente a R$53,5 milhões de reais com o dólar da época da apreensão.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias