Chineses ficam espumando de raiva após jornal usar foto de avião errado

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Avião Boeing 747-400F Jumbo SkyLease Sky Lease Cargo
Imagem: Rafael Luiz Canossa / CC BY-SA 2.0. via Wikimedia

A Air China exigiu na quarta-feira (24) um pedido formal de desculpas público do jornal britânico The Guardian. A empresa disse que seus advogados enviaram uma carta ao jornal, apontando que o uso de uma foto de um avião de carga da Air China em uma matéria causou um impacto negativo à imagem da empresa e muitos comentários inverídicos sobre o governo chinês.

O Global Times comenta que, no artigo, o jornal britânico fala sobre o caso das peças de motor que caíram de um avião de carga Boeing 747 da Longtail Aviation na Holanda, resultando em uma pessoa ferida e muitos danos materiais. O The Guardian usou a foto de um avião de carga da Air China no lugar, o que causou revolta.

O The Guardian posteriormente mudou a imagem, mas não emitiu um pedido de desculpas. A embaixada chinesa no Reino Unido disse que notou a mudança, mas acrescentou que o The Guardian ainda não se desculpou. No artigo original, o jornal apenas deixou uma nota no final: “A imagem neste artigo foi alterada em 23 de fevereiro de 2021”.

A embaixada pediu que o jornal descartasse o preconceito e relatasse as coisas de maneira objetiva, justa e equilibrada. O porta-voz chinês observou que tal desinformação não é incomum na mídia ocidental, o que denuncia seu desrespeito pela ética jornalística e seu preconceito arraigado contra a China.

Esse assunto ainda vai render.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

white airplane under black clouds

Testes rápidos e a esperança do reinício das viagens internacionais

0
Testes rápidos de antígenos ajudarão a impulsionar o reinício das viagens internacionais não essenciais. Essa é a aposta da aviação