Colômbia põe em risco vários setores ao bloquear voos internacionais até setembro

A Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo (ALTA) solicitou às autoridades da Colômbia que considerem o risco socioeconômico representado pela extensão até 31 de agosto de 2020 da restrição ao transporte aéreo internacional e pelo fechamento de fronteira.

ALTA reitera que acompanha o governo nacional neste momento extremamente complexo em que a prioridade número um é e será a proteção da saúde e segurança de seus cidadãos. Reconhecemos as iniciativas do governo nacional para cumprir esta missão e compartilhamos desta responsabilidade e preocupação em proteger passageiros, colaboradores e cidadãos, não apenas na Colômbia, mas em todos os cantos da região.

Na mesma linha, entendemos e respeitamos o princípio de soberania que rege cada governo e o grande desafio de garantir o melhor uso dos recursos disponíveis para viabilizar a subsistência de diferentes setores relevantes para o país. No entanto, devemos expressar que a medida que estende as restrições de mobilidade até o final de agosto suscita profunda preocupação com a necessidade de manter viável um serviço essencial para a população.

O governo nacional implementou medidas para apoiar o setor de viagens e turismo, mas a incapacidade de voar, não gerando renda e mantendo intacto mais de 50% dos custos fixos, torna insustentável a viabilidade de qualquer empresa.

Esta medida afeta direta e profundamente toda a cadeia de valor da indústria da aviação, que opera no país e na região, companhias aéreas nacionais e internacionais, aeroportos, negócios, comércio, turismo e setores relacionados. Milhões de empregos estão em risco, assim como a conectividade da Colômbia, que é vital para o bem-estar econômico e social do país. Em números, cerca de 33 mil empregos diretos na aviação estão em risco no país * e, se considerarmos que a cadeia de valor de viagens e turismo gera cerca de 1,2 milhão de empregos **, esse número aumenta.

A Colômbia se estabeleceu como o país mais conectado da América Latina no contexto de conectividade internacional intrarregional. Trata-se de um hub fundamental de passageiros e cargas para a operação de múltiplos setores econômicos na Colômbia e na região.

Estamos convencidos de que o setor de viagens e turismo será um grande motor para a recuperação da economia.

Por esse motivo, sob a coordenação regional e global da Organização Internacional da Aviação Civil (OACI), todos os atores do setor aéreo estão comprometidos em desenvolver e implementar um plano de reativação responsável, harmonizado, seguro, eficiente e alinhado que permita o restabelecimento de atividades comerciais e um serviço fundamental sob os mais rígidos padrões e requisitos de saúde e segurança, estipulados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelas autoridades locais e regionais de saúde.

A Colômbia precisa do transporte aéreo para a comunicação, mobilidade e operação de inúmeras atividades econômicas. A reativação de maneira segura será essencial para proteger milhões de empregos que estão em risco todos os dias e atividades vitais para o bem-estar do país. A ALTA reitera seu reconhecimento ao governo por sua disponibilidade permanente de diálogo oportuno e articulado e convida a considerar um plano de reativação harmonizado para o setor.

* Dados IATA ** Dados WTTC

Informações da ALTA

Carlos Roman
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

ANAC começa a elaborar a Agenda Regulatória para 2021-2022

0
Com o objetivo de direcionar o desenvolvimento e a atualização das normas do setor de aviação civil, e garantindo participação da sociedade, a ANAC