Com declínio do A400M e A380, Airbus pode demitir até 3 mil funcionários

A380plus: versão do gigante com novos winglets proporciona até 5% a mais de economia, mas não emplacou uma venda se quer

A Airbus planeja remanejar ou demitir até 3.600 funcionários dentro do grupo devido ao declínio na taxa de produção do maior jato comercial do mundo, o A380, e do maior cargueiro militar turboélice do mundo, o A400M.




Em reporte da Reuters citando a revisa Challenges, a fabricante européia irá informar os sindicatos no comitê europeu durante um encontro no próximo dia 7, na cidade de Toulouse, principal base da fabricante. A Airbus tem desejo de iniciar negociações para “adaptação da força de trabalho”.

O foco das negociações serão as instalações em Bremen e Augsburg na Alemanha, Sevilha na Espanha, e Filton no Reino Unido. Outras duas unidades alemães em Hamburgo e Stade, também podem ser afetadas.

A Airbus se negou a comentar sobre o caso, mas declarou que “qualquer impacto na força de trabalho será discutido com nossos parceiros sociais e nós estamos sempre procurando a melhor solução para nossos empregados.”

A fabricante europeia tem reduzido a taxa de fabricação mensal das aeronaves A380 e A400M devido à baixa demanda de pedidos das mesmas.

Com informações da Reuters

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

ANAC de Portugal nega pedido de avaliação de viabilidade de novo...

0
A ANAC de Portugal informou que não levará adiante um processo para avaliação de viabilidade de um novo aeroporto para Lisboa.