Como a Delta Air Lines fez para não demitir ninguém na crise

Delta A350
© Delta Air Lines

A pior crise da história da aviação está em curso e enquanto as concorrentes fazem demissões em massa, a Delta mantém empregos.

Sua concorrente United Airlines anunciou recentemente que irá reduzir seu quadro de funcionários em 16 mil pessoas, somando saídas voluntárias e demissões involuntárias. Já outra adversária, a American Airlines, fará uma demissão em massa, chegando a 40 mil funcionários, a menos que o governo intervenha.

Mas a Delta não irá seguir os mesmos passos das rivais, e anunciou que não irá demitir ninguém da linha de frente, isso inclui todo o pessoal de aeroportos (agentes, manutenção, catering e ground handling) e os tripulantes de voo. As únicas pessoas que irão sair ou já saíram da empresa foram aquelas que decidiram por vontade própria, sejam por aposentadorias antecipadas, demissões incentivadas ou licenças não-remuneradas de longo prazo.

“Evitar demissões neste cenário sem precedentes é totalmente devido à inovação, trabalho duro e sacrifício conjunto do nosso pessoal. Nosso time fez algo extraordinário achando oportunidades para dar um jeito e mudar pessoas para locais mais vitais para o nosso negócio”, declarou o CEO da Delta, Ed Bastian, em e-mail enviado hoje para todos os funcionários.

Para mostrar um pouco deste esforço, a Delta divulgou alguns números interessantes mostrando o sacrífico dos seus funcionários, veja a seguir:

  • Mais de 40 mil funcionários aderiram à licença não-remunerada;
  • Mais de 17 mil empregados decidiram sair da empresa por aposentadoria ou demissão incentivada. Somadas as experiências, estes funcionários trabalharam durante 400 mil anos na empresa;
  • A queima diária de caixa foi de $100 milhões de dólares em março para $27 milhões diários em junho;
  • Comissários começaram a realizar alguns serviços de solo, além de trabalharem mês sim, mês não, alternando com seus colegas;
  • Agentes de Aeroporto começaram a trabalhar em novas funções como empurrar cadeirantes, abastecer o avião com comida, embarcar cargas e bagagens, e até ajudar no abastecimento da aeronave;
  • Agentes de Reservas foram treinados em novas áreas para ajudar a empresa.

“Para mim, a maior satisfação é que estou sendo útil para a companhia. Se você não precisa de mim voando, eu não vou voar. Eu vou preencher um espaço num departamento diferente”, afirma Armando Catter, comissário de voo que já trabalhou com Engenharia Industrial e agora ajuda no serviço de hospitalidade a bordo, que inclui a manutenção de serviços como Wi-Fi e sistema de vídeo nos assentos.

“Se você tem uma visão mais ampla, irá ver como ajudamos a empresa como um todo” conclui o comissário.

Pela Assessoria de Imprensa da Delta Air Lines

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Sem ajuda de Trump, sindicatos de comissários de bordo apoiam Joe...

0
Representando mais de 75 mil tripulantes, os maiores sindicatos de comissários endossaram Joe Biden como candidato à presidência dos EUA.