Como um passageiro pode manter-se saudável no voo de 20 horas da Qantas?

A companhia aérea australiana Qantas concluiu seu primeiro voo de teste no tão esperado Projeto Sunrise. Em uma tentativa de lançar os maiores voos comerciais sem escalas do mundo, o primeiro voo entre Nova York e Sydney deve fornecer dados valiosos, coletados ontem (19) por uma equipe de pesquisadores.

Rota Voo QF7879 Qantas Mais Longo do Mundo
Trajetória do longo voo da Qantas realizado ontem

Para um voo com duração em torno de 20 horas – lembando que a rota Londres – Sydney será ainda mais longa do que as 19 horas e 16 minutos de ontem – o bem-estar dos passageiros é fundamental.

O Simple Flying analisou como os passageiros da Qantas, e futuramente de outras companhias que se lançarem a tais voos, podem se manter saudáveis ​​na maratona aérea, uma vez que os voos regulares do Project Sunrise devem decolar oficialmente até 2022 ou 2023.

Riscos para a saúde de voos de longo curso

Existem vários riscos à saúde que são apresentados aos passageiros em voos de longo curso. Para entender a que os passageiros serão expostos por cerca de 20 horas nos voos da Qantas, é importante analisar os efeitos básicos conhecidos, que podem agir sobre as pessoas:

  • Desidratação: Com a umidade do ar típica das cabines em menos de 20%, a severa secura do ar pode levar a um início mais rápido de desidratação. Com a disponibilidade de bebidas com cafeína e álcool nos serviços de bordo, isso é ainda mais potencializado;
  • Infecção: Com a desidratação, a secagem das membranas mucosas do sistema respiratório torna a pessoa mais suscetível a infecções virais e bacterianas;
  • Trombose venosa profunda (TVP): Ficar parado na posição sentada por longos períodos dentro de uma aeronave pode levar à formação de coágulos sanguíneos no corpo, geralmente na parte inferior da perna ou na coxa;
  • Radiação: Esse fator é especialmente aplicável à tripulação de cabine e aos pilotos, que passam pelo efeito periodicamente, pois a altitude expõe os seres humanos à radiação cósmica devido à menor camada de atmosfera filtrante entre o espaço sideral e a aeronave;
  • Emergências médicas: em um voo de tão longo curso, a possibilidade de emergências médicas aumenta e ela assumem um nível totalmente novo de risco.

Como os passageiros podem se manter saudáveis

Saúde Passageiro Voo Qantas
Passageiros prevenindo-se a bordo com alongamentos

Para compensar o estresse adicional no corpo humano resultante dos fatores acima descritos, os passageiros dos voos ultra-longos farão bem em atentarem-se para os riscos à saúde envolvidos e em serem proativos na mitigação de alguns deles.

Os passageiros podem se manter saudáveis ​​no voo entre a Austrália e Nova York, e até mesmo em voos muito longos já existentes atualmente, observando estas práticas básicas de saúde:

  • Hidratação: A hidratação antes do voo será muito importante. Os passageiros devem garantir que bebam bastante líquido, especialmente água ou água de coco. Isso compensará a maior taxa de desidratação no voo. Evitar bebidas como café ou bebidas alcoólicas ajudará ainda mais;
  • Desinfetar: Para diminuir o risco de infecção, os passageiros podem limpar as áreas do assento ao embarcar no voo. Mesmo que as aeronaves sejam bem limpas pela companhia aérea, usar algo tão simples como um desinfetante para as mãos (álcool gel, por exemplo) pode ser muito efetivo. Isso inclui, especialmente, o uso do produto desinfetante ao utilizar os banheiros da aeronave;
  • Mova-se: Para combater o risco da trombose TVP, é importante movimentar-se durante o voo. Como todos os riscos envolvidos, os voos do Project Sunrise requerem uma ampliação das medidas a serem tomadas pelos passageiros. Andar de vez em quando, alongar as pernas, assim como girar os tornozelos enquanto está sentado, são ações que ajudarão a reduzir o risco de aparecimento da TVP. Além disso, meias de compressão também podem ajudar;
  • Consulte um médico: Os passageiros com condições médicas conhecidas devem consultar um médico antes de embarcar em um voo como este. Com o acesso diminuído a procedimentos médicos mais avançados a bordo, os passageiros devem ter certeza de que seus problemas não afetarão sua jornada. Obviamente, interromper o voo é uma opção a ser tomada pela tripulação, mas a prevenção é sempre a melhor atitude.

À medida que o Project Sunrise realiza seus próximos voos de pesquisa, os dados coletados permitirão avaliações mais completas de saúde e segurança. Com a Qantas expandindo as fronteiras das viagens aéreas comerciais, como você imagina que serão empurradas as fronteiras do corpo humano?

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.