Como foi possível o Jumbo de carga transportar pessoas de Wuhan para os EUA?

Conforme divulgado ontem aqui no Aeroin, um Boeing 747 de cargas foi fretado pelo governo dos Estados Unidos para evacuar cidadãos norte-americanos da cidade chinesa de Wuhan, epicentro do Coronavírus. Mas como foi possível que pessoas fossem acomodadas no interior de um avião cargueiro? E quais as precauções tomadas devido ao risco de infecção pelo vírus?

Avião Boeing 747-400F Kalitta Air
Boeing 747-400F da Kalitta Air – Imagem: Wim Bladt [CC]

O voo que transportou 201 evacuados americanos de Wuhan aterrissou no Aeroporto Internacional de Anchorage, no Alasca, pouco antes das 21h30 (horário local) da terça-feira, 28 de janeiro (madrugada da quarta-feira no horário de Brasília). Após algumas horas de avaliações de saúde, o Jumbo partiu pouco antes das 2:15 da manhã (horário local) para seu destino final, uma Base Aérea em Riverside, na California.

A operação

Para acomodar os passageiros a bordo do avião de cargas, assentos especiais foram instalados para a evacuação no que normalmente é um imenso compartimento vazio de carga.

Kalitta 747-400BCF Assentos evacuação Wuhan
Interior do Boeing 747 de cargas com assentos instalados

O avião utilizado foi o 747-400FSCD de matrícula N705CK da companhia aérea Kalitta Air, especializada em transportes de carga, mas que já realizou antes outras operações como essa, adaptando-se para a acomodação de pessoas.

Os passageiros do voo 371 da Kalitta desembarcaram no Terminal Norte da Anchorage para exames médicos pelo Departamento Estadual de Saúde e Serviços Sociais e para processamento pela Alfândega dos EUA. Enquanto isso, o Boeing 747 reabasteceu para a próxima etapa do transporte até a Base Aérea.

FlightRadar24 Voo Resgate Wuhan Kalitta EUA
O voo de Wuhan para Anchorage na noite de terça para quarta-feira – Imagem: FlightRadar24

Funcionários do Departamento de Saúde disseram que, se alguém demonstrasse sinais ou sintomas de contaminação pelo Coronavírus, não seria permitido embarcar na continuidade do voo.

A diretora médica Dra. Anne Zink disse que o avião tinha capacidade para 240 pessoas e o estado do Alasca estava preparado para a capacidade total, mas que apenas 201 passageiros acabaram chegando no voo de Wuhan. “No final, 201 passageiros chegaram e 201 deixaram o Alasca”, disse ela.

Isolamento dos tripulantes

Boeing 747 cross section fuselagem por dentro
Seção da parte frontal da fuselagem do 747. Os pilotos ficaram sempre no andar de cima.

Para segurança dos tripulantes quanto ao risco de algum passageiro estar infectado, os dois grupos foram isolados um do outro nos andares separados da cabine, com fluxos de ar independentes.

Adicionalmente, durante a passagem pela China, os tripulantes nunca deixaram a parte superior do Boeing 747. Os pilotos sempre permaneceram no andar de cima, que ocupa apenas a parte frontal da fuselagem, como você pôde ver na imagem do Jumbo no começo da matéria.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.