Você já viu como se produz um Boeing ou Airbus de fibra de carbono?

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Você já deve ter visto vídeos de aviões, carros ou outros tipos de máquinas metálicas sendo construídos. Basta pegar chapas do metal escolhido, cortá-las, moldá-las na forma desejada e, se aplicável, soldá-las.

Mas, na atualidade, os materiais compostos, ou compósitos, têm tomado lugar nos processos de engenharia, e eles não são tão trabalháveis depois de prontos como os metais. Então, como são feitas as diversas formas de uma aeronave, agora que muitas são construídas com fibra de carbono?

Vídeo Montagem Avião Boeing 787 Fibra de Carbono
Seção frontal de uma fuselagem de fibra de carbono

Se você, assim como um número muito grande de pessoas, também tem essa curiosidade, então o vídeo e as informações que você verá aqui poderão te ajudar a ter uma melhor noção a respeito disso.

A fabricante norte-americana Boeing, assim como sua concorrente europeia Airbus, costuma divulgar vídeos às companhias aéreas, os quais apresentam todo o processo de produção de seus jatos comerciais. E uma destas filmagens foi divulgada pela British Airways, mostrando a montagem de seu jato 787 Dreamliner.

O 787, assim como o A350 da Airbus, são os jatos de longo alcance mais tecnologicamente avançados da atualidade, mas não apenas em relação à tecnologia eletrônica. O avanço também diz respeito ao uso de fibra de carbono em uma porcentagem significativa das aeronaves, tornado-as muito mais leves e, portanto, econômicas.

O composto de fibra de carbono

No vídeo da produção do Boeing 787, você poderá notar, logo no início, imagens de fios pretos, como um tecido. Eles são a matriz de fibra de carbono que, poucos segundos depois, você verá dando forma à fuselagem preta do jato comercial. Nessa fuselagem, o carbono foi depositado sobre um molde já na forma oval da fuselagem, ao invés daquele processo de flexionar e moldar chapas planas, como ocorre com os metais.

Também nos segundos iniciais, você nota um braço mecânico aplicando alta temperatura sobre a fuselagem.

Vídeo Montagem Avião Boeing 787 Alta Temperatura Fibra de Carbono
Alta temperatura sendo aplicada na fuselagem

Esse procedimento é feito porque a fibra de carbono, por si só, é mole como um tecido, portanto, ela precisa de uma resina que a impregna e depois endurece para manter a forma final. E essa resina precisa dessa alta temperatura para começar o processo químico de endurecimento com a qualidade necessária.

Por isso é dito que a estrutura da aeronave é de material “composto”. Ela não possui apenas a fibra de carbono, mas é composta da matriz de fibra mole junto com a resina que a endurece.

Curando o material composto

Na sequência, você vê que a fuselagem é colocada em uma espécie de túnel metálico.

Vídeo Montagem Avião Boeing 787 Estufa Cura Fibra de Carbono
A fuselagem dentro da estrutura em forma de túnel

Esse túnel é uma estufa, ou seja, uma câmara de aquecimento, pois o processo de secagem do material composto precisa ser feito durante um intervalo de tempo certo e em uma temperatura controlada, que é mais alta do que a ambiental.

Somente após esse período, chamado de “tempo de cura”, é que a estrutura está finalmente pronta para resistir aos esforços para os quais foi projetada.

A partir daí, o processo passa a ser bastante semelhante à montagem tradicional de aviões. Você verá no vídeo as diversas partes do avião sendo transportadas até o local de montagem e unidas para formar o Boeing 787.

Note que várias partes chegam a bordo do 747 Dreamlifter, o cargueiro especial desenvolvido pela fabricante justamente para esse fim. Isso porque as linhas de produção das partes se localizam em diferentes cidades dos Estados Unidos, assim como também o faz a Airbus em diversas cidades da União Europeia.

Confira a seguir o interessante vídeo, que prossegue até o final da produção mostrando também o processo de pintura do jato e, por fim, sua decolagem, completamente pronto. Abaixo do vídeo, você encontra outras curiosidades sobre o assunto, aproveite à vontade!

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias