Companhia aérea italiana perde sua licença de voo

As autoridades italianas suspenderão a licença de operação da companhia Ernest Airlines a partir de meados de janeiro, embora não tenham detalhado os motivos da decisão.

Avião Airbus A320 Ernest Airlines
Imagem: Anna Zvereva [CC]

O regulador da aviação civil italiana, ENAC, diz que a suspensão entrará em vigor a partir de 13 de janeiro de 2020, mas afirma que “não há questões críticas iminentes” que colocariam em risco a segurança operacional.

A suspensão somente em janeiro tem como objetivo permitir que a empresa aérea “proteja os direitos dos passageiros” que já possuem reservas para viajar com a Ernest.

A ENAC diz que a suspensão está sendo adiada para o próximo mês em consideração ao período de férias, incluindo o da Ucrânia, que começa em uma data posterior.

A agência afirma que tomou a decisão de acordo com as regras da União Europeia sobre prestação de serviços aéreos e que monitorará a companhia aérea para garantir que esteja adotando iniciativas para proteger os direitos dos passageiros.

A ENAC acrescenta que, se a transportadora fornecer garantias exigidas pelas regras da União Europeia, a suspensão “poderá ser revogada”.

A Ernest Airlines surgiu em 2015, com o apoio de investidores italianos e suecos, e está sediada em Milão. A empresa possui cerca de 200 funcionários e opera uma pequena frota de jatos Airbus A320 e A319 em rotas para destinos na Itália, Espanha, França, Ucrânia e Albânia.

A companhia afirma que a suspensão é “temporária” e que sua licença deverá ser restaurada quando demonstrar conformidade com a legislação vigente.

“Nossa empresa está tomando todas as ações necessárias para obter a revogação da suspensão”, diz a Ernest, mas confirma que a venda de passagens foi interrompida para voos a partir de 13 de janeiro.

Os passageiros que já compraram passagens para esses voos estão sendo orientados a obter um reembolso.

Interceptação por caças MiG-29

Poucos meses atrás, um Airbus A320 da Ernest teve de ser interceptado por dois caças MiG-29 da Força Aérea Eslovaca, pela prerrogativa de não terem respondido aos chamados do controle de tráfego aéreo.

Durante um voo entre Milão e Kharkov, na Ucrânia, o Airbus A320, registrado sob a matrícula EI-LIX, não manteve contato de rádio com o controle enquanto sobrevoava o território da Eslováquia. Isso fez com que os controladores acionassem os procedimentos de segurança e então dois caças do modelo MiG-29 decolaram rumo à interceptação.

Confira mais detalhes sobre essa ocorrência na matéria a seguir ou clicando neste link.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.