Companhia aérea lança serviço de delivery das suas refeições servidas a bordo

Pois é, agora algumas pessoas poderão contar com mais uma opção gastronômica no seu cardápio do delivery. Ao invés da tradicional pizza de sábado ou do japonês, você pode optar por “comida de avião”. Bem, é isso o que uma empresa aérea está propondo com a iniciativa Flight Kitchen.

Foto por Ryan Fenton via Wikimedia Commons

A partir de agora, a companhia aérea canadense Air North entregará em casa refeições servidas a bordo dos seus aviões, num conceito em que busca não desperdiçar os alimentos, enquanto gera alguma renda para a empresa, parada há algumas semanas.

O serviço está disponível na cidade de Whitehorse, na província de Yukon, e os moradores podem escolher entre sete opções de pratos a um custo entre US$ 8,25 e US$ 9 cada. As opções variam de canelone de frango a caril tailandês de legumes, todos eles servidos a bordo das aeronaves da empresa aérea.

Quem estiver interessado ​​pode fazer o pedido no site oficial da Flight Kitchen (www.flightkitchen.ca/), desde que morem em Whitehorse – pois é, infelizmente sua comida não poderá vir voando ao Brasil, por enquanto.

Da cozinha de voo para sua casa

Por mais de dois anos, a Flight Kitchen vende uma variedade de entradas congeladas e cheesecakes disponíveis numa loja física, também localizada em Whitehorse, mas a iniciativa de vender também as “comidas de avião” é nova.

A empresa destaca que todas as refeições são preparadas na hora pela equipe do chef Michael Bock e da Flight Kitchen. 

A única desvantagem (ou vantagem para aqueles mais planejados) é que os pedidos são entregues diretamente no endereço especificado no dia seguinte, entre 13 e 16 horas, de segunda a sábado. Os pedidos feitos aos sábados serão entregues na segunda-feira. 

Crise dura

A empresa aérea disse recentemente em comunicado que vai reduzir sua força de trabalho e que demitirá temporariamente mais da metade de seus funcionários como resultado da pandemia. Em detalhes, o número de funcionários em Yukon e Vancouver é de aproximadamente 400 pessoas, o que seria reduzido para 150.

“Neste momento, estamos olhando para o mês de abril, talvez operemos um voo por dia. Portanto, retornaremos ao tamanho de 2004 em cerca de uma semana”, afirmou Joe Sparling, presidente da companhia.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias