Companhia aérea start-up colombiana quer voar até outubro com A320neo

Imagem: Divulgação RCN Radio

A Ultra Air, nova companhia de baixo custo da Colômbia, está nas últimas etapas de aprovação do órgão regulador do país e pode entrar em operação até outubro deste ano. A companhia deve voar inicialmente para 15 países e 29 destinos domésticos com uma frota inicial de oito aeronaves, que poderia ter até um Boeing 737 MAX.

A empresa é presidida por William Shaw, executivo com vasta experiência no setor aéreo. Ele foi responsável pelo lançamento da Viva Air Colombia, em 2009, foi presidente da Flycana, na República Dominicana, e, mais recentemente, foi CEO da Interjet, no México. No momento, a companhia procura novos acionistas, mas Shaw está otimista em relação aos resultados da empresa esperados no curto prazo.

Em entrevista ao portal de turismo Reportur, ele disse que a projeção para o primeiro ano de operação é de transportar 827 mil passageiros e a meta é chegar a cinco milhões no segundo ano de atividade. A Ultra Air chegará com uma proposta mais barata, com tarifas entre 15% e 20% abaixo da média do país.

De acordo pesquisa realizada pelo portal britânico Simple Flying, a nova operadora de baixo custo terá hub na cidade de Rionegro, em Antioquia, distante 215 km da capital, Bogotá. A frota incluirá Airbus A320 neo e Boeing 737 MAX 8, mas ainda não foram divulgados detalhes. Se confirmada a operação do MAX, a Ultra Air será a primeira companhia colombiana a utilizar o modelo. Bogotá e Medelín irão concentrar os voos internacionais, que terão foco inicial nos Estados Unidos e países do Caribe. O Brasil não está no radar, por enquanto.

Otimismo

Shaw está otimista com a recuperação econômica do setor aéreo, mesmo sem um prazo para o fim da crise internacional da aviação. “Vamos oferecer tarifas econômicas que irão implicar intrinsecamente em uma nova competição no mercado. Nossa intenção é começar criando condições para o crescimento do setor”, disse o empresário.

O executivo também acredita que a nova companhia terá importante papel econômico no país pós-pandemia. “Uma das muitas vantagens é que não temos dívidas ou passivos. Vamos criar empregos em um setor duramente atingido”, disse Shaw.

A Ultra Air participou de uma audiência pública em novembro de 2020. Naquela ocasião, a Aeronáutica Civil, a agência reguladora local, adiou a decisão de conceder permissão para o início das operações, até que a empresa forneça informações financeiras adicionais e a empresa informar o tipo de aeronave que pretende operar todas as suas rotas. O prazo para entrega da documentação é 27 de abril, informou a companhia aérea.

“Temos plena confiança de que receberemos autorização para iniciar o processo de certificação e, portanto, decolar no quarto trimestre do ano”, disse Shaw.

Conforme matéria do Routes Online, a Colômbia chegou a ter uma redução de 80% no número de passageiros transportados em 2020, na comparação com o ano anterior. Atualmente, o país tem seis companhias aéreas dividindo o mercado principal. A Avianca é a maior, seguida de perto pela LATAM Colômbia. A Viva Air Colombia é a terceira companhia aérea mais importante. Então, há três operadoras regionais menores: EasyFly, SATENA e Wingo.

Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias