Conheça as companhias aéreas que mais transportam passageiros na América Latina

LATAM A319 APP CGH 1

O nosso parceiro Aviacionline listou as companhias aéreas que mais transportaram passageiros em 2019, quando a aviação ainda não sentia os efeitos da pandemia do novo coronavírus. Segundo a Associação de Transporte Aéreo da América Latina e do Caribe (ALTA), as companhias da região transportaram 307,3 milhões de passageiros em 2019, 3,9% a mais que no ano anterior.

Dos mais de 307 milhões de passageiros transportados, 232,2 milhões fizeram voos domésticos, resultando em 81% de ocupação média das aeronaves; e 75 milhões em voos internacionais, com 83% de ocupação. A América Latina e o Caribe representam 8% do mercado global de aviação.JET

Esses números e essa análise são interessante, pois permitirão uma comparação no futuro próximo, quando esse cenário deverá ter mudado completamente.

Mudanças à vista

Em 2019, a LATAM Airlines Group foi a companhia aérea dominante na região, quando considerado o grupo como um todo. Isoladamente, as empresas tiveram maior presença nos mercados chileno, peruano e equatoriano.

A maior rival da LATAM no mercado internacional foi a Avianca Holding, com ampla presença na América Central e na Colômbia. No quadro geral, a companhia colombiana ficou em  3º lugar, atrás da brasileira GOL, com domínio no âmbito doméstico do Brasil.

No entanto, uma primeira mudança desse ranking será resultado das ações de LATAM e Avianca, que decidiram fechar subsidiárias em países de atuação. A Avianca deixou de voar com sua filial no Peru e a LATAM na Argentina. No futuro, será possível avaliar melhor qual foi o impacto desses movimentos na recuperação das empresas.

Brasil e México têm a maioria de suas companhias aéreas no TOP 10. A GOL permaneceu estável durante 2019, apesar de ter que lidar com o rápido crescimento regional da Azul e a parada do 737 MAX. O mercado mexicano foi muito competitivo, onde a Volaris dominou e a Vivaaerobus teve uma expansão com resultados expressivos. Interjet e a AeroMéxico, caíram no ranking e lidaram com reestruturações internas. Já na pandemia, a Interjet chegou a devolver  85% de suas aeronaves aos seus arrendadores e a AeroMéxico planeja descartar parte de seus B787 e E-Jets no futuro, como parte de sua recuperação judicial. Mesmo assim, o país lidera a retomada da aviação comercial em toda região.

Copa Airlines e Aerolíneas Argentinas fecham o TOP 10, sendo as companhias aéreas que têm crescido estrategicamente em seus mercados-chave. Através de seu hub no Panamá, a Copa pode conectar diferentes cidades do continente, mas teve o crescimento impactado pela suspensão das operações do B737 MAX. A Aerolíneas manteve o crescimento no mercado interno.

Fechamos o TOP 20 com seis low cost que vêm revolucionando o mercado sul-americano e onde estão as expectativas de retomada. A colombiana Viva Air, a chilena SKY Airline e a JetSMART, que controla algumas companhias na região se destacaram em seus respectivos países. A pequena Easyfly, da Colômbia, aproveitou o flanco aberto após a paralisação da Aerolínea Antioquia e apareceu no TOP 20. A Caribbean Airlines segue dominante no Caribe, embora a Intercaribbean Airways esteja caminhando para tirar essa supremacia.

Atualmente, o mercado latino-americano segue tenebroso em razão da crise internacional, e podemos ter mais clareza sobre os impactos com os números da fase pré-pandemia.

Enquanto isso, confira abaixo o TOP 20 da ALTA de 2019:

Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias

Veja como funciona o treinamento de realidade virtual da KLM nos...

0
A companhia holandesa KLM iniciará o treinamento em aeronaves Embraer, sendo a 1ª a usar a realidade virtual dessa forma ao treinar pilotos.