Conheça por dentro e por fora o belo Boeing 777F ‘Olá Brazil’ da Lufthansa Cargo

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Estivemos na tarde deste sábado, 30 de janeiro, no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), a principal “casa” dos grandes aviões cargueiros no Brasil, para acompanhar uma operação de um especial visitante, o Boeing 777F batizado de “Olá Brazil”.

Como explicamos previamente aqui no AEROIN, a operadora do avião, a alemã Lufthansa Cargo, promoveu um concurso criativo no qual o resultado foi a definição da temática “Diga olá ao mundo” para a escolha dos nomes de todos os equipamentos de sua frota.

O jato de matrícula D-ALFD foi um dos primeiros a serem recebidos entre os 9 do modelo 777F que já operam na empresa, e ganhou a saudação ao Brasil. E este sábado marcou o primeiro pouso do “Olá Brazil” no país desde que o “triplo-sete” assumiu o lugar dos MD-11F a partir do início deste ano.

Com isso, a Lufthansa Cargo e os Bombeiros do aeroporto de Viracopos promoveram um batismo da aeronave com jatos de água na entrada do pátio, dando as boas-vindas ao “Olá Brazil”.

A aeronave pousou em Viracopos às 12:54, quase 30 minutos adiantada em relação ao horário padrão de chegada, e, após o batismo, iniciou o procedimento logístico de carregamento e descarregamento de cargas na posição M4 do pátio cargueiro do aeroporto.

O Boeing 777F é atualmente o maior bimotor cargueiro em operação comercial no mundo. Entre os cargueiros, ele se destaca por ter a maior porta lateral de carregamento, permitindo levar cargas volumosas que não entrem nem mesmo no Boeing 747 (embora o Jumbo abra o nariz, a altura dessa entrada frontal é menor do que a da porta do 777).

O Boeing 777 chegou praticamente lotado em volume ocupado pela carga, que pesava 88 toneladas ante a capacidade de 106 toneladas do modelo (havia cargas leves, portanto, mesmo enchendo o espaço não foi atingido o peso máximo).

Todas as 88 toneladas foram desembarcadas no solo de Campinas, porém, apenas 74 ficaram no Brasil. As 14 toneladas de diferença iriam prosseguir para os próximos destinos de Montevidéu (Uruguai) e Buenos Aires (Argentina), portanto, foram depois recarregadas no avião.

Esse procedimento se dá para que a carga embarcada no Brasil, que irá para Frankfurt, seja colocada atrás daquela que ainda será retirada nos outros dois países.

Fuselagem vazia após toda a carga ser retirada

Carga sendo embarcada

Fuselagem cheia para o voo de partida

Tela atrás do cockpit para visualização da porta de carga

Galley, a “cozinha” da tripulação

O D-ALFD partiu com 74 toneladas, sendo 60 toneladas carregadas aqui e mais aquelas 14 toneladas desembarcadas e reembarcadas que citamos acima.

Para que toda essa logística de retirada e colocação de carga aconteça de forma rápida, por dentro a aeronave cargueira conta com roletes motorizados, controlados por pequenos painéis ao longo das laterais internas da fuselagem.

Roletes no piso da aeronave

Painel de controle local da posição da carga

Após encerrado todo o processo de operação de solo, depois de pouco mais de 2 horas desde a chegada o maior cargueiro bimotor do mundo foi rebocado para fora do pátio e taxiou até a cabeceira 33 de Viracopos.

Mesmo com bem menos carga em peso do que a capacidade máxima, e possivelmente sem muito combustível devido ao voo curto até o Uruguai, o “Olá Brazil” saiu do solo com uma corrida relativamente longa de pista, e depois deu um “Tchau Brazil” com um lindo balanço de asas na subida inicial.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

ANAC abre inscrições para curso gratuito de inglês técnico voltado para...

0
A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) está oferecendo duas mil vagas na última edição deste ano do curso Aviation English Level 3