Coronavírus: Descubra como o Brasil se conecta com Wuhan por rotas aéreas

EXCLUSIVO
Em um levantamento inédito, mostramos a você como o Brasil se conecta pelas rotas aéreas com Wuhan, a cidade epicentro do Coronavírus.

Air China Coronavírus

Utilizando dados da nossa parceria OAG, mapeamos como os passageiros que saem do Brasil voam para Wuhan, capital da província de Hubei na região central da China.

Na cidade de Wuhan está concentrada a maior parte dos casos de Coronavírus: segundo o sistema ArcGIS, são 9074 infectados e 294 mortes na província, 96% de todas as fatalidades decorrentes da epidemia no mundo.

A maioria dos brasileiros na China está próxima da costa chinesa: cidades como Pequim, Hong Kong, Cantão, Xangai e Macau (onde se fala português). Vale lembrar que muitos pilotos brasileiros têm migrado para lá após o fechamento da Avianca Brasil, e alguns relataram dificuldades em meio à epidemia, como relatamos aqui.

Ao todo, em 2018, foram pouco mais de 450 passageiros que voaram do Brasil para Wuhan, e um número bem similar no sentido contrário. Vale lembrar que são contabilizados apenas os passageiros que compraram em uma só reserva um trecho saindo de Wuhan (WUH) para alguma cidade brasileira.

A média da tarifa que os passageiros pagaram na rota foi de $1404 dólares americanos, valor já corrigido para a inflação atual, o que daria em torno de R$6 mil reais.

Francesa na liderança

O fato mais interessante é que a maioria dos passageiros optou por uma empresa europeia ao fazer a rota: a Air France está um pouco à frente da Air China no marketshare:

Em seguida vem a holandesa KLM (do mesmo grupo da Air France) e as três grandes americanas: American, Delta e United Airlines.

Fazendo uma rápida pesquisa pelo site da Air France é possível ver que existem diversas opções de conexões, seja saindo de São Paulo, Rio de Janeiro ou Fortaleza.

Isso se deve à parceria da Air France com China Eastern, pois ambas são membros da aliança SkyTeam, e com a Gol. Pelo fato da francesa operar em três cidades brasileiras e duas chinesas (Pequim e Xangai), também há uma facilitação das conexões, já que a China Eastern opera para Wuhan a partir destas duas cidades e a GOL conecta facilmente os passageiros para os três aeroportos brasileiros.

Ainda assim, a jornada no Brasil é principalmente iniciada em Guarulhos, com 75% dos passageiros da rota, seguida do Galeão com 15% e, incrivelmente, São Luiz no Maranhão com 4% do total.

O Maranhão tem recebido nos últimos tempos muitos investimentos de chineses, que vêm com frequência fazer negócios no estado, e inclusive irão investir no porto da capital São Luís.

Já pela Air China, a maioria dos passageiros faz a rota São Paulo – Madri – Pequim – Wuhan, operada totalmente pela companhia. Nos dias em que a empresa não opera no Brasil, a opção é via Frankfurt com a LATAM e depois para Chengdu com a Air China, e de lá para Wuhan.

Vale lembrar que a Air China continua a operar normalmente no Brasil apesar de muitas empresas aéreas estarem suspendendo os voos para a China. Nenhum caso de Coronavírus foi confirmado no país até agora.