Crise acerta em cheio e Singapore Airlines voará com apenas 11 aviões

O Grupo Singapore Airlines cortará 96% da capacidade originalmente programada para o final de abril, dado o aperto ainda maior dos controles de fronteira em todo o mundo na última semana para conter o surto de Covid-19.

Primeiro Avião Airbus A350ULR Singapore
Primeiro Airbus A350 Ultra Long Range (ULR) da Singapore

A medida resultará na parada de cerca de 138 aeronaves da Singapore e da SilkAir, de uma frota total de 147, em meio ao maior desafio que o Grupo SIA enfrentou em sua existência. A unidade de baixo custo Scoot também suspenderá a maior parte de sua rede, resultando no aterramento de 47 de sua frota de 49 aeronaves. No total, continuarão voando apenas 11 aviões.

O Grupo diversificou sua rede e criou a Scoot para distribuir seus riscos e atender a uma ampla gama de segmentos de passageiros e de mercado. No entanto, sem um segmento doméstico (o território de Cingapura é bastante pequeno), as companhias aéreas do Grupo se tornam mais vulneráveis ​​quando os mercados internacionais restringem cada vez mais a livre circulação de pessoas ou banem completamente as viagens aéreas.

Não está claro quando o Grupo Singapore pode começar a retomar os serviços normais, dada a incerteza sobre quando os rigorosos controles de fronteira serão suspensos. O colapso resultante na demanda por viagens aéreas levou a um declínio significativo nas receitas de todo o grupo, assim como acontece com todas as empresas aéreas do mundo.

Enquanto isso, a companhia está ativamente tomando medidas para aumentar sua liquidez e reduzir gastos de capital e custos operacionais. Conforme mencionado em 17 de março de 2020, a SIA continuará a perseguir agressivamente todas as medidas para lidar com o impacto do surto de Covid-19 na Companhia. Isso inclui:

• discussões em andamento com os fabricantes de aeronaves para adiar as próximas entregas de aeronaves. Se acordado, isso consequentemente adiará o pagamento pelas entregas;

• cortes salariais para a administração do Grupo com os diretores da empresa também concordando com um corte em seus honorários e um esquema de licença voluntária sem pagamento para determinados cargos gerenciais. Dada a piora da situação, os sindicatos se engajaram nas medidas adicionais de redução de custos necessárias e mais medidas serão adotadas.

• nos últimos dias, o Grupo recorreu a suas linhas de crédito para atender às suas necessidades imediatas de fluxo de caixa. O Grupo SIA está discutindo com várias instituições financeiras seus futuros requisitos de financiamento.

A Companhia continua a explorar medidas para reforçar sua liquidez durante essa perturbação sem precedentes nas viagens aéreas globais. A Companhia divulgará mais detalhes quando essas medidas forem firmadas.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Novo passe digital de saúde na aviação apoiará a reabertura das...

0
O Travel Pass deverá gerenciar e verificar um fluxo seguro de informações necessárias sobre testes ou vacinas.