Início Indústria Aeronáutica Curto-circuito pode levar Boeing 777 a dar potência máxima sem comando do...

Curto-circuito pode levar Boeing 777 a dar potência máxima sem comando do piloto

A FAA começou a avisar aos operadores e pilotos do Boeing 777 em todo o mundo sobre um possível curto-circuito que pode levar ao aumento de potência não comandada no motor.

Boeing 777
Boeing 777 da KLM taxia em São Paulo

Segundo a agência de aviação civil dos EUA (FAA) e conforme divulgado inicialmente pelo FlightGlobal, houve diversos incidentes registrados mundo afora com a mesma causa-raiz, ou seja, um curto-circuito que causou um aumento na potência nos motores do 777 através do auto-throttle.

O auto-throttle é um mecanismo que ajusta automaticamente a potência dos motores da aeronave, de acordo com o regime de voo selecionado ou velocidade inserida no computador de voo.

A maioria das ocorrências têm acontecido após o pouso, quando o avião já não está mais com o reverso acionado, porém, ainda com os spoilers ativados (freios aerodinâmicos, localizados na parte superior da asa). No entanto, um único caso ocorreu durante o táxi, antes da decolagem.

Neste caso, o motor dá potência máxima sem o piloto ter comandado, o que pode causar a uma possível saída de pista e colisão grave, conforme reportado pela FAA.

Botão TO/GA na manete de potência do 777 e o de desconectar o AutoThrottle (A/T Disconnect) © Team-BHP

Após uma análise dos casos, foi detectada a existência de um potencial curto-circuito nos fios que ligam os botões de TO/GA (Take-Off / Go-Around, que em português é algo como Decolagem / Arremetida).

Ao acionar estes botões que, como o nome já diz, foram criados para auxiliar em procedimentos de decolagem e arremetida, o sistema computadorizado da aeronave ativa o auto-throttle e é aplicada potência máxima na aeronave, com as manetes de potência do motor (no caso do Boeing) sendo levadas para frente.

A FAA não classificou a ocorrência como muito grave pela sua baixa taxa de ocorrência, quando comparado ao número de aeronaves voando e as horas de voos realizadas, mas emitiu um boletim de alerta para os operadores do 777.

A Boeing já tinha detectado esta falha antes, quando emitiu um boletim similar, orientando a troca dos cabos e um monitoramento extra dos pilotos durante o táxi.

Não foi divulgado ao público o que causaria o curto-circuito que origina as falhas e nem quais modelos de 777 e de motores podem ser afetados, mas fontes dizem que é um erro de design, atingindo a todos os aviões do modelo.

Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A