Nesta data, o Rio recebia o 1º voo comercial do Concorde no mundo em 1976

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

O avião supersônico anglo-francês Concorde fez seus primeiros voos comerciais há exatos 45 anos na data de hoje, sete anos após seu primeiro voo de ensaio de certificação. E o Rio de Janeiro teve a honra de receber um dos 2 voos de estreia daquele dia. Mas, não por ser um destino realmente preferido pela companhia aérea.

Imagem: Eduard Marmet / CC BY-SA 3.0 GFDL 1.2, via Wikimedia Commons

Era 21 de janeiro de 1976 quando dois voos decolaram exatamente no mesmo horário, às 11h40. Eles levavam os primeiros passageiros comerciais a viajarem mais rápido que a velocidade do som. Um Concorde da British Airways decolou de Londres para o Bahrein, enquanto um da Air France deixou Paris a caminho do Rio de Janeiro, com escala em Dakar, no Senegal.

Embora a intenção das duas únicas empresas aéreas a terem o Concorde fosse de voar nas disputadas rotas entre a Europa e os Estados Unidos, no início o avião foi proibido de voar sobre o território dos EUA.

Assim, somente em torno do final de 1976 é que os primeiros voos do jato supersônico receberam permissão para pousar no aeroporto de Dulles, em Washington. Nova York ainda esperou até 1977, quando as primeiras operações começaram em novembro.

Foi por isso que as rotas realizadas em 21 de janeiro de 1976 foram de Londres para o Bahrain e de Paris para o Rio de Janeiro. Uma casualidade que deu aos brasileiros a oportunidade de ver a estreia mundial do Concorde no Aeroporto do Galeão.

E um testemunho de um leitor do AEROIN mostra um pouco de como foi a experiência de ver pela primeira vez o inédito avião comercial mais rápido que o som.

Carlos R. Berger conta que o único local disponível no aeroporto para visualização era uma gelateria, e o limitado espaço era disputado a tapas pelas muitas pessoas que se aglomeravam para observar o Concorde.

Na imagem a seguir, gentilmente disponibilizada pelo Carlos, ele conta mais um pouco sobre como foi estar lá:

Após este dia, o tecnológico avião faria um grande sucesso por cerca de duas décadas, representando o luxo de se chegar a qualquer parte do mundo em poucas horas. De Paris ao Rio, por exemplo, eram apenas 6 horas, mesmo com a escala em Dakar.

Mas, infelizmente, a escalada do preço dos combustíveis começou a minar sua viabilidade econômica, até que, pouco mais de 24 anos após o primeiro pouso no Galeão, em 25 de julho de 2000 a fatídica queda do Concorde de matrícula F-BTSC em Paris, com 104 passageiros, selou de vez o final da trajetória do modelo. Como resultado, em 2003 o modelo deu seu adeus definitivo.

Desde então, nunca mais um projeto de avião supersônico voltou a efetuar voos de passageiros até hoje. Mas a contagem regressiva para o retorno dos voos comerciais mais rápidos do que a velocidade do som está cada vez mais próxima de seu fim. Em outubro passado, foi revelado o primeiro protótipo de um novo avião da categoria. Caso não tenha visto a apresentação do XB-1, clique aqui para conferir.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Esquadrilha faz escrita especial no céu em comemoração ao aniversário de...

0
A oportunidade veio com um convite da Itaipu Binacional, que completa 47 anos na próxima segunda-feira (17) e pediu à Esquadrilha da Fumaça