Decisão da Europa sobre a aviação é “fora da realidade”, condena IATA

Imagem: Stanislav Doronenko / CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

A Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) classificou a decisão da Comissão Europeia (CE) de definir o limite de uso de slots de inverno em 50% como “fora de sintonia com a realidade” e argumentou que a CE ignorou o conselho e as evidências apresentadas por Estados membros da União Europeia (UE) e o setor de aviação, que defendeu um limite muito mais baixo.

O anúncio da CE significa que, de novembro a abril, as companhias aéreas que operam em aeroportos regulamentados por slots (limitação de quantidade de pousos/decolagens por hora) devem usar pelo menos metade de cada série de slots que possuem.

Não há nenhum alívio na devolução de slots no início da temporada, que permitiria que as companhias aéreas combinassem sua programação com a baixa demanda realista ou que outras operadoras utilizassem os slots. Além disso, a regra de ‘força maior’, pela qual a regra do slot é suspensa se circunstâncias excepcionais relacionadas com a pandemia da COVID estiverem em vigor, foi desativada para operações dentro da UE.

O resultado dessas mudanças será a restrição da capacidade das companhias aéreas de operar com a agilidade necessária para responder à demanda imprevisível e em rápida mudança, levando a voos desnecessários e ambientalmente prejudiciais. Também enfraquecerá ainda mais a estabilidade financeira da indústria e dificultará a recuperação da rede global de transporte aéreo.

“Mais uma vez a Comissão mostrou que está fora de sintonia com a realidade. O setor de aviação civil ainda enfrenta a pior crise de sua história. A Comissão tinha um objetivo aberto de usar o regulamento de slots para promover uma recuperação sustentável para as companhias aéreas, mas falhou. Em vez disso, eles mostraram desprezo pela indústria e pelos muitos Estados membros que repetidamente pediram uma solução mais flexível, e continuaram perseguindo obstinadamente uma política que é contrária a todas as evidências apresentadas a eles”, disse Willie Walsh, Diretor Geral da IATA.

O argumento da Comissão é que a recuperação do tráfego intra-UE neste verão justificou um limite de utilização de 50% sem qualquer redução. Isso vai de encontro a evidências significativas de perspectivas incertas para a demanda de tráfego neste inverno, fornecidas pelos principais estados membros da UE, bem como pela IATA e seus membros. Por exemplo:

  • A extensão da recuperação intra-UE é, na melhor das hipóteses, apenas um indicador parcial da extensão da recuperação em aeroportos com restrição de faixas horárias, onde as faixas-chave são necessárias para conexões de tráfego global que ainda não foram recuperadas. A IATA estima que as viagens internacionais atingirão apenas 34% dos níveis de 2019 até o final de 2021.
  • A demanda de inverno sempre segue abaixo da demanda de verão, mesmo em anos bons. E a evidência de reservas futuras é que elas estão tendendo bem abaixo dos níveis vistos no último inverno. As reservas de voos de longa distância para a UE estão atualmente em uma média de 20% dos níveis de 2019.
  • Apesar do lançamento de vacinas, os governos continuam extremamente cautelosos quanto à abertura de fronteiras. A resposta às variantes da Covid-19 que preocupam ainda é fechar fronteiras ou instigar medidas de quarentena que instantaneamente matam a demanda por viagens. É evidente que a demanda por viagens aéreas na Europa ainda é extremamente fraca e imprevisível.

Outros reguladores em todo o mundo entenderam os argumentos. Reguladores no Reino Unido, China, América Latina e Ásia-Pacífico adotaram medidas muito mais flexíveis. Apenas a UE insistiu dogmaticamente que o tráfego retornará a uma taxa muito além de qualquer previsão razoável.

“É uma grande ironia que apenas uma semana depois de a Comissão divulgar seu plano de emissões de carbono ‘Fit for 55’, ela publica um regulamento de slots que pode forçar as companhias aéreas a voar independentemente da existência de demanda suficiente para aquela rota. O comissário dos Transportes, Valean, disse que precisamos agir com ambição pelo nosso planeta, mas sem punir nossos cidadãos ou empresas. Claramente, essa decisão sobre os slots não atende a essas condições”, disse Walsh.

Informações da IATA

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Embraer apresenta novo turboélice nos EUA, mas com menos assentos

0
O novo turboélice da Embraer foi apresentado hoje para empresas aéreas americanas, mas com menos assentos que o anunciado ao público.