Decreto presidencial demite todo o Conselho da empresa aérea nacional angolana TAAG

Todo o Conselho de Administração da TAAG Angola Airlines, incluindo o CEO da empresa Rui Carreira, foi exonerado por decreto presidencial, na última semana, em consonância com o plano do governo angolano de reestruturar e privatizar a companhia aérea, de acordo com um anúncio do Presidente João Lourenço.

A mudança faz parte da implementação do plano de reestruturação da TAAG e segue o Decreto Presidencial nº 186/20 de 17 de julho de 2021, pelo qual o valor nominal do capital social e estrutura da TAAG foram ajustados para não serem mais de propriedade integral do estado.

Conforme relatado anteriormente, o governo angolano vai iniciar a privatização da TAAG em 2022, no âmbito do programa de privatização de ativos do Estado (PROPRIV). Isso envolverá a reestruturação, recapitalização e modernização da companhia aérea.

A TAAG já havia sido transformada de empresa estatal em uma sociedade anônima em novembro de 2018, a fim de atrair o investimento privado. Lourenço, na época, também demitiu o conselho de administração da TAAG.

Antes disso, em 2014, a TAAG firmou um acordo de gestão de 10 anos com a Emirates, que supervisionaria um grande programa de reestruturação, mas a relação terminou abruptamente em 2017 com o repatriamento das receitas de passagens.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias