Delta Air Lines vai retirar da frota 400 aeronaves de nove modelos distintos

A Delta Air Lines divulgou na terça-feira (13), os resultados financeiros para o trimestre findo em setembro de 2020, apresentando uma perda bilionária e uma notícia um tanto quanto surpreendente, referente a uma redução de cerca de 30% em sua frota num período de 5 anos – o percentual foi calculado sobre a frota própria, as empresas regionais e as entregas originalmente previstas para os próximos anos.

“Embora nossos resultados do trimestre de setembro demonstrem a magnitude da pandemia em nossos negócios, temos sido encorajados à medida que mais clientes viajam e estamos vendo um caminho de melhoria progressiva em nossas receitas, resultados financeiros e consumo diário de caixa”, disse Ed Bastian, Diretor Executivo da Delta. “As ações que estamos tomando agora para cuidar de nosso pessoal, simplificar nossa frota, melhorar a experiência do cliente e fortalecer nossa marca permitirão que a Delta acelere para uma recuperação pós-COVID”.

Resultados financeiros

A empresa reportou um prejuízo ajustado antes dos impostos de $ 2,6 bilhões de dólares, que exclui $ 4,0 bilhões de ações diretamente relacionadas ao impacto do COVID-19 e a resposta da empresa, incluindo despesas de reestruturação de frota e despesas para programas de saída e aposentadoria voluntárias, que foram parcialmente compensados pelo benefício da concessão da Lei CARES reconhecida no trimestre.

Enquanto isso, a receita total ajustada de US$ 2,6 bilhões foi 79 por cento inferior ao mesmo período do ano passado, enquanto que a capacidade foi de 63 por cento inferior. Ainda assim, no final do trimestre, a empresa tinha US$ 21,6 bilhões em liquidez imediata (dinheiro em caixa e empréstimos).

Base para a recuperação

A Delta tomou uma série de ações para posicionar a empresa para acelerar para uma recuperação pós-COVID:

Cuidando bem do povo Delta

– Por meio de programas de desligamento voluntário e aposentadoria antecipada, licenças voluntárias não-remuneradas, divisão de empregos e outras iniciativas, a empresa tem conseguido evitar licenças involuntárias de funcionários de solo e comissários de bordo.

– Lançando um “Stop the Spread, Save Lives” campanha para enfatizar as seis principais ações de saúde que protegem os funcionários da Delta contra COVID-19, incluindo o uso de máscaras, distanciamento social, testes e obtenção de uma vacina contra a gripe. A Delta está fornecendo testes de COVID-19 e vacinas contra gripe gratuitos para seus funcionários nos EUA.

Melhorar a experiência do cliente

– Enfatizando saúde e segurança com o Delta CareStandard, uma abordagem em várias camadas que inclui protocolos de limpeza intensos, bloqueando assentos intermediários e exigindo máscaras a bordo de todas as aeronaves.

– Reduzindo a complexidade para os clientes, eliminando taxas de alteração para quase todas as tarifas domésticas.

– Adotando uma abordagem centrada no cliente para reembolsos, com aproximadamente US$ 2,8 bilhões devolvidos no ano até o momento.

Simplificando a frota

– Reestruturando suas carteiras de pedidos de aeronaves Airbus e CRJ para melhor combinar o tempo de entrega das aeronaves com a rede e as necessidades financeiras nos próximos anos. A reestruturação reduz os compromissos de compra de aeronaves em mais de US$ 2 bilhões em 2020 e em mais de US$ 5 bilhões até 2022

– Acelerar a estratégia de simplificação da frota, que visa modernizar e agilizar a frota da empresa, aprimorar a experiência do cliente e gerar economia de custos. A empresa anunciou planos para acelerar a aposentadoria de quase 400 aeronaves até 2025, incluindo mais de 200 em 2020. Tal número refere-se a 30% do total de aeronaves, incluindo as empresas regionais que lhe prestam serviço.

Confira na lista abaixo os 9 modelos que serão retirados ou reduzidos.

Em resumo, nos próximos cinco anos devemos ver uma Delta Air Lines bem diferente do que ela é hoje, com menos modelos de aeronaves e mais enxuta. A única salvação para tamanho impacto seria uma rápida recuperação em “V” da economia e do mercado de viagens, o que, por hora, as projeções não vêm mostrando.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias