Depois de voar por 14 horas, piloto descobre que levou seu gato na mala

Um piloto da companhia aérea árabe Etihad Airways, de Abu Dhabi, acidentalmente contrabandou seu gato de estimação para Sydney, na Austrália, de acordo com um memorando vazado da equipe de operação da empresa.

Gato gordo russo golpe Aeroflot

Segundo o Air Live, esse incidente embaraçoso começou quando o Primeiro Oficial (co-piloto) estava fazendo as malas para sua viagem ao país dos Cangurus. Parece que seu amigo felino pulou em sua mala e, de alguma forma, não foi descoberto quando chegou a hora de trancá-la e nem mesmo na inspeção no aeroporto.

O que é ainda mais notável, porém, é o fato de que o passageiro clandestino conseguiu sobreviver ao voo de 14 horas entre a capital dos Emirados Árabes Unidos e Sydney no porão de carga de um dos A380 da Etihad.

Avião Airbus A380 Etihad
Airbus A380 da Etihad

A menos que outros animais vivos estejam sendo transportados, o compartimento de carga normalmente não é pressurizado ou aquecido, então parece que esse gato gastou várias de suas vidas nessa empreitada.

O piloto foi primeiro informado do desaparecimento do gato de sua casa quando um amigo foi alimentar o bichano e percebeu que ele não estava em lugar nenhum. Algum tempo depois, o gato apareceu no quarto de hotel dos pilotos.

Obviamente não no melhor estado, o gato foi levado a um veterinário local para um check-up e agora está sendo mantido em quarentena.

Os gatos nas manchetes da aviação

Essa não é a primeira vez que um gato em um avião vira manchete nesse mês. Duas semanas atrás, a companhia aérea russa Aeroflot disse que havia banido de seu programa de milhagens um passageiro frequente que deu um golpe para colocar seu gato com excesso de peso a bordo de uma de suas aeronaves.

O Aeroflot tem um limite de peso máximo de 8kg para animais de estimação serem levados na cabine junto ao passageiro, mas o animal de estimação do homem chegava a 10 kg. Em um voo, o homem não teve problemas em levar o companheiro a bordo, mas na conexão seguinte, a equipe de terra pesou o animal e o proibiu de ser levado dentro da cabine.

Não querendo colocar o gato no porão de carga, o homem arquitetou um plano para remarcar o mesmo voo no dia seguinte e embarcar seu felino. Confira a artimanha usada por ele:

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.