O dia em que um avião comercial fez ‘drifting’ ao perder o controle no frio

O caso gravado em vídeo, que você verá a seguir, é sem dúvidas muito curioso e por pouco não terminou em um caro prejuízo para a companhia aérea.

Vídeo A320 S7 Airlines derrapando neve

Era 14 de dezembro de 2016, e o aeroporto Novosibirsk Tolmachevo, no Sul da Rússia, próximo à fronteira com o Cazaquistão, enfrentava um dia típico de inverno, com muito frio e neve por todo lado.

Nada novo para os pilotos da companhia aérea russa S7 Airlines, conhecida como Siberia Airlines, que utiliza o Tolmachevo como sua principal base operacional e enfrenta condições tão ou mais severas em outros aeroportos mais ao Norte da Rússia, em climas frios ainda mais extremos.

Aeroporto Novosibirsk Tolmachevo S7 Airlines Mapa
Aeroporto Novosibirsk Tolmachevo no Google Maps

Mas neste dia específico do vídeo, mesmo com os procedimentos de limpeza de pista e taxiway dos serviços de apoio do aeroporto, o frio armou uma armadilha para o Airbus A320 da S7.

A aeronave havia chegado de Pequim em um momento em que a temperatura mudou rapidamente de 2ºC positivos para 20ºC negativos, criando uma fina camada de gelo sobre o asfalto.

Avião Airbus A320 S7 Airlines
Airbus A320 da S7 Airlines

Deslocando-se tranquilamente pela taxiway, o jato comercial e seu comandante não foram capazes de manter os pneus aderidos à superfície e a grande máquina começou a girar e andar de lado ao estilo ‘drifting’ de carros de corrida.

E por muita sorte a aeronave não saiu do centro do asfalto e o incidente não terminou em um belo prejuízo para a companhia aérea, pois outra aeronave estava ao lado da taxiway, logo à frente do ponto onde o A320 perdeu o controle.

O grande jato comercial só parou depois de girar mais de 90 graus para a direita, parando quase no sentido contrário ao que estava se deslocando. Imagine você dentro da aeronave vendo tudo girar pela janelinha!

Mas, afinal, aviões possuem pneus preparados para operações em condições como essa?

Quem respondeu sobre isso foi o experiente comandante Daz Baz ao Cornwall News:

Os requisitos de pneus para aviões são diferentes dos requisitos para carros, portanto, os pneus projetados para aviões não são os mesmos que os pneus automotivos.

Os pneus de avião não são sujeitos a forças nas curvas, como as dos carros. Os aviões não se movem através de curvas em alta velocidade, eles se movem em alta velocidade por uma pista reta apenas durante a decolagem e aterrissagem.

Portanto, os pneus de avião têm ranhuras retas longitudinais ao redor da circunferência. Essas ranhuras canalizam a água e a lama por baixo do pneu, para evitar a aquaplanagem.

Pneus de avião também não são utilizados para produzir tração como pneus de carro. Para decolagem, hélices ou motores a jato produzem impulso para frente para empurrar o avião, e as rodas e pneus simplesmente rolam sobre a pista.

Já durante o pouso, muitas das forças de frenagem para desaceleração são geradas por hélices ou motores a jato e apenas parcialmente por freios nas rodas. Portanto, a tração da frenagem produzida por pneus normais é suficiente.

Porém os pilotos devem compensar a presença de água parada, lama, neve ou gelo nos cálculos da distância de decolagem e pouso, para garantir que a distância disponível da pista seja suficiente. Portanto, os aviões não usam pneus de neve.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.