Dívida de R$ 1,67 bi da GOL vence em poucos dias; Delta pode ter que paga-lá, diz NYT

A Delta Air Lines pode ser obrigada a pagar uma dívida de R$ 1,67 bilhão da GOL Linhas Aéreas, que vence em poucos dias e ainda não foi paga. Segundo reportou o The New York Times, a dívida de $300 milhões de dólares vence em três dias úteis e a Delta é a fiadora do financiamento, que foi feito junto ao Banco Morgan Stanley, terceiro maior do mundo em investimentos.

Como já abordamos aqui anteriormente, a dívida é referente a um empréstimo feito em 2015, quando as empresas eram parceiras, a uma taxa de juros de 6,5% ao ano, e dentro outras garantias também estavam ações ordinárias da Smiles, o programa de fidelidade da empresa brasileira.

Segundo levantamento da Reuters, a GOL teria R$ 1,6 bilhão em caixa ($285 milhões de dólares), sendo o cálculo feito baseado nos relatórios oficiais da companhia, somando o valor em caixa com outros investimentos líquidos, descontados a queima de caixa diária de R$ 3 milhões por dia a partir de 30 de junho.

“Estamos a três dias úteis do dia de vencimento da dívida e a companhia está bem quieta, não está claro se uma negociação está em andamento”, disse Amalia Bulacios, analista da consultoria de risco S&P Global Ratings.

Em junho a GOL tinha desmentido que iria dar o calote na dívida e afirmou que estava em negociação com a Delta para pagamento dos $300 milhões, mas até hoje não tinha sido divulgado nenhuma nova notícia.

Numa situação hipotética de calote, a Delta deverá pagar a dívida e terá direito às ações da GOL no programa de fidelidade Smiles, que foram dadas em garantia da operação. Porém, este dinheiro das ações pode não ser suficiente para pagar o calote, já que houve uma grande depreciação da moeda brasileira de 2015 para cá, além de uma queda nos valores das ações.

Na época do financiamento, cada ação da Smiles na Bovespa valia R$49, hoje cada ação está cotada em R$14, o que segundo o NYT seria equivalente a R$ 954 milhões de reais considerado o volume de ações colocados em garantia.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Progridem as obras que duplicarão o Aeroporto de Uberlândia

0
O Aeroporto de Uberlândia, vem passando por uma grande obra de ampliação orçada em R$ 30 milhões e que tem por objetivo criar uma estrutura