Doha ultrapassa Dubai e se torna o principal aeroporto do Oriente Médio

Foto de Sunnya343, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia

Na batalha para ser o centro de conexões mais importante do Oriente Médio, Doha parece ter dado um passo adiante. A pesquisa mais recente da ForwardKeys, consultoria que tem um dos bancos de dados de reserva de voos mais recentes e abrangentes do mundo, revela que no primeiro semestre de 2021, Doha conquistou e consolidou uma liderança ultrapassando o Aeroporto de Dubai.

Entre 1 de janeiro e 30 de junho, o volume de bilhetes emitidos para viagens via Doha foi 18% maior do que através de Dubai. E essa tendência parece que vai continuar, já que as reservas atuais para o segundo semestre do ano em Doha estão 17% maiores do que em Dubai.

O principal fator que impulsionou a tendência foi a retirada, em janeiro, do bloqueio de voos de e para o Catar, imposto em junho de 2017 por Bahrein, Egito, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, que acusaram o Catar de patrocinar o terrorismo – uma forte acusação negada veementemente pelo Catar.

Quando foi imposto, o bloqueio teve um impacto negativo imediato nos voos de e para Doha. Por exemplo, a Qatar Airways foi forçada a retirar 18 destinos de sua rede e vários voos de e para Doha sofreram viagens prolongadas, pois os aviões tiveram que fazer desvios para evitar o bloqueio do espaço aéreo dos demais países.

Desde janeiro de 2021, cinco rotas foram reabertas: incluindo de e para Cairo, Dammam, Dubai, Jeddah e Riyadh. As rotas restabelecidas deram uma contribuição substancial para o aumento dos números do aeroporto de Doha-Hamad. Além disso, novas conexões com Seattle, San Francisco e Abidjan foram estabelecidas em dezembro de 2020, janeiro de 2021 e junho de 2021, respectivamente.

As principais rotas existentes que apresentaram o maior crescimento em relação aos níveis pré-pandêmicos (H1 2021 vs H1 2019), pelo número total de passageiros que chegam ao Catar, foram: São Paulo com 137%, Kiev com 53%, Dhaka com alta de 29% e Estocolmo, com alta de 6,7%. Também houve aumentos notáveis ​​na capacidade de assentos entre Doha e Joanesburgo, Malé e Lahore.

Uma análise mais aprofundada mostra que no próximo trimestre, a capacidade de assentos entre Doha e seus vizinhos no Oriente Médio será apenas 5,6% menor do que os níveis pré-pandêmicos e a maioria, 51,7%, está alocada para rotas restabelecidas de e para o Egito, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

O último fator importante, que deu ao Qatar uma vantagem sobre Dubai, foi sua reação à pandemia. Durante o auge da crise COVID-19, muitas rotas de entrada e saída de Doha permaneceram operacionais. O resultado foi que Doha se tornou um importante centro para voos de repatriação – principalmente para Joanesburgo e Montreal.

Uma comparação da participação de mercado durante o primeiro semestre de 2021 com o primeiro semestre de 2019, revela que Doha melhorou substancialmente sua posição contra Dubai e Abu Dhabi. Atualmente, tráfego na região está dividido em 33% em Doha, 30% em Dubai, 9% em Abu Dhabi; anteriormente, era 21% Doha, 44% Dubai, 13% Abu Dhabi.

Olivier Ponti, VP de Insights da ForwardKeys, comentou: “Sem o bloqueio, que encorajou o estabelecimento de novas rotas como uma estratégia para substituir o tráfego perdido, talvez não teríamos visto Doha passando Dubai. Portanto, parece que as sementes do sucesso relativo de Doha foram, ironicamente, plantadas pelas ações adversas de seus vizinhos”.

“No entanto, é preciso ter em mente que os voos pelo Oriente Médio durante o primeiro semestre de 2021 ainda estavam 81% abaixo dos níveis pré-pandemia. Portanto, à medida que a recuperação ganha ritmo, o quadro pode mudar significativamente”.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Exclusivo: Documento mostra estudo de ampliação do número de voos em...

0
EXCLUSIVO - Como parte dos procedimentos que antecedem ao leilão da Sétima Rodada de Concessão de Aeroportos, previsto para o primeiro