Dupla de jatos Airbus A350 da Air France é vista em São Paulo, entenda o porquê

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram.

Recentemente noticiamos que a Air France trocou o modelo de sua aeronave que realiza o serviço para São Paulo e reduziu as operações para três voos semanais. Mas dois Airbus A350 da companhia foram vistos juntos no Brasil. Saiba o porquê.

Airbus A350
Os dois A350 da Air France no GRU Airport – Imagem: Badre Jerome

A aeronave tinha ficado parada na frota da Air France depois que a companhia iniciou seus cortes de voos por causa da Pandemia do Coronavírus.

Mas como a empresa não desistiu do Brasil, que agora é o único país atendido pela empresa na América do Sul, com voos para o Rio de Janeiro e São Paulo, o jato passou a ser empregado para cá.

Ao contrário da capital carioca, no entanto, em São Paulo os A350 que operam o voo não estão fazendo mais o tradicional “bate e volta”, e sim ficando dois dias no GRU Airport até o próximo voo de volta para Paris.

Imagem: Badre Jerome

Foi o caso do primeiro Airbus A350 a entrar na frota da empresa, de matrícula F-HTYA e batizado de Toulouse, cidade francesa e natal da aeronave. O avião chegou no dia 3 de abril, e só decolou de volta no dia 5, pouco depois da chegada de seu irmão F-HYTD, que decola só hoje (dia 7) às 18h55 para Paris.

Neste voo de São Paulo para Paris no dia 5, foram levados 153 passageiros franceses e estrangeiros, e 30 toneladas de equipamentos médicos.

O motivo da Air France manter o avião por tanto tempo no Brasil, apesar de não declarado oficialmente pela empresa, pode ser mais simples do que se imagina: economizar custos. Já que o tempo de utilização das aeronaves está baixo devido à queda de demanda mundial, é mais em conta manter o jato em solo brasileiro, onde as taxas de permanência são pagas em real, do que em Paris, onde os custos são em euro e há escassez de pátios.

Já o voo para o Rio de Janeiro, feito pelo Boeing 787-9 Dreamliner, continua a fazer a operação bate e volta, porém apenas às segundas-feiras. Ele chega como AF462 no fim da tarde e decola duas horas depois como AF467.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Motor PW P&W GTF PW1100G

Nova ferramenta identifica fenômeno antes que ele destrua o motor do...

0
Motores de combustão, como os de aeronaves, permanecem sob risco de danos catastróficos por um fenômeno chamado "oscilações de combustão".