É HOJE – AA aposenta seus MD-80 e dúzias deles vão para o deserto, acompanhe

Foto – AA

Essa quarta-feira (4) marca um dia histórico para a American Airlines com a despedida em massa do seus clássicos Super 80, forma pela qual os McDonnell Douglas da série MD-80 são chamados na empresa. Cerca de 25 aeronaves farão seu voo derradeiro para, em seguida, serem enviadas vazias ao seu destino final, no deserto de Roswell, Novo México.

Será possível acompanhar nas redes sociais do Flightradar24, todos os detalhes da operação. Seja pelo Twitter , Facebook ou Instagram, o time do FR24 transmitirá em tempo real tudo o que acontece até que o último MD-80 seja enviado ao deserto. Também é possível acompanhar tudo pela hashtag #Super80sendoff

Captura do FlightRadar24 na noite de 3 de Setembro, véspera da aposentadoria

Últimos voos comerciais

A American operará os voos finais do MD-80 nos dias 3 e 4 de setembro. O voo final será o AA80, de Dallas – Ft Worth para Chicago, partindo às 9:00 e chegando em Chicago às 11:35, hora local.

Um cartão de embarque retrô foi criado especialmente para esse voo:

Confira na tabela abaixo os últimos voos comerciais dos MD-80. Também é possível acompanhar os últimos voos pelo hotsite criado especialmente para a data.

Rumo do deserto

Quando todos os voos comerciais estiverem concluídos, a American fará uma revoada, mandando cerca de 25 aeronaves para o deserto de Roswell, quase todas em sequência e partindo de Dallas. Dá para imaginar a festa e comoção que haverá em em Dallas, sede da empresa, amanhã.

Confira abaixo a lista de voos de aposentadoria, rumo ao deserto:

O Super 80 na American (1983-2019)

O McDonnell Douglas MD-80 é uma série de jatos comerciais bimotores, de curto a médio alcance e de corredor único. Foi ampliado e atualizado a partir do DC-9 e pode acomodar de 130 a 172 passageiros, dependendo da variante e da configuração dos assentos. 

A American Airlines foi a primeira grande transportadora dos EUA a encomendar o MD-80 quando alugou vinte aeronaves de 142 assentos da McDonnell Douglas em outubro de 1982 para substituir o Boeing 727-100. Comprometeu-se com 67 pedidos firmes mais 100 opções em março de 1984 e em 2002 sua frota atingiu o pico de mais de 360 ​​aeronaves, 30% dos 1.191 produzidos.

O primeiro MD-80 foi entregue em 1983, o último em 1999. O MD-80 original foi entregue com um cone de cauda redondo cônico e padrão, mas foi adaptado pela própria AA para um design de “chave de fenda”, um pouco semelhante ao Boeing 777. Descobriu-se que o novo design aumentava a eficiência do avião. Apesar de antigos, os MD-80 são todos modernizados. Seus cockpits possuem instrumentos digitais e FMS. 

O MD-80 perdeu espaço com o avanço das tecnologias aeronáuticas. Os motores GE CFM-56 do 737, por exemplo, oferecem economia de combustível de 35% por assento-milha em relação ao MD-80. Um problema com o sistema de bomba de combustível e dificuldades para cumprir com a Diretiva de Aeronavegabilidade de 2017, levaram os pregos ao caixão do mad-dog.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.