EASA alerta que baterias de aviões parados na pandemia podem estar viciadas

O mundo da aviação foi fortemente atingido pela pandemia COVID-19 e um número sem precedentes de aeronaves foi paralisado. Esta situação tem causado forte pressão financeira aos operadores aéreos, bem como aos seus prestadores de serviços. Antes do reinício das operações, é vital que as aeronaves que foram colocadas em armazenamento por semanas ou meses sejam restauradas à condição de navegabilidade.

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) divulgou seu Boletim de Informações de Segurança (SIB) 2020-18 alertando que as baterias de níquel-cádmio de aeronaves em armazenamento podem perder capacidade e não mais fornecer o tempo mínimo de execução necessário para a operação segura da aeronave.

O que diz o SIB

Os procedimentos de estacionamento de aeronaves geralmente requerem a desconexão física das baterias da aeronave e a reconexão periódica para realizar as verificações de estacionamento ou armazenamento. Um titular de Certificado de Tipo (TC) em conjunto com um fabricante de bateria identificou que quando uma bateria de Níquel-Cádmio (Ni-Cd) é desconectada das cargas da aeronave, ela se auto-descarrega devido a um fenômeno eletroquímico, induzindo assim a uma redução da capacidade da bateria. Quando a bateria é reconectada na aeronave, a bateria não recupera 100% de sua capacidade inicial. Portanto, após cada ciclo de auto descarga da bateria, a capacidade disponível da bateria diminuirá progressivamente.

Essa redução de capacidade não pode ser revertida pelo sistema normal de carregamento da aeronave e a redução na capacidade total não pode ser detectada sem que a bateria seja enviada a uma loja de baterias aprovada para uma verificação ou revisão de recarga.

Como as baterias da aeronave são a última fonte de energia disponível para a aeronave, esta redução na capacidade das baterias Ni-Cd pode não atender aos requisitos de certificação de duração mínima da bateria quando a aeronave for operada novamente, o que pode levar a uma perda total prematura de energia elétrica no caso o sistema elétrico principal da aeronave falhe.

Recomendações

A EASA “recomenda-se que os detentores de aprovação de projeto de aeronave (DAH) devem, em conjunto com o conselho dos fabricantes de bateria, revisar seus projetos de sistema elétrico e suas instruções de estacionamento e armazenamento para determinar se o sistema de bateria pode tolerar ciclos sucessivos de reconexão sem sofrer dos mesmos fenômeno conforme descrito neste boletim”.

Se houver suspeita de que uma redução na capacidade da bateria pode levar à não conformidade com a base de certificação do projeto aprovado, em particular com os requisitos de operação sem energia elétrica normal e durabilidade da bateria, o DAH deve informar à EASA.

Recomenda-se que as Organizações de Gerenciamento de Aeronavegabilidade Contínua (CAMOs) consultem o DAH da aeronave para determinar se instruções ou recomendações adicionais de manutenção precisam ser seguidas para garantir que a aeronave retornando ao serviço após o estacionamento e armazenamento tenha a capacidade de bateria necessária.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias