EASA declara que Boeing 737 MAX é seguro e pode voar ainda em 2020

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A Agência de Segurança da Aviação da União Europeia (EASA) afirma que se considera satisfeita com as mudanças implementadas para os aviões 737 MAX da Boeing, que tornaram o avião seguro o suficiente para retornar aos céus do Velho Mundo antes do fim de 2020.

Avião Boeing 737 MAX 8
Imagem: Boeing

Apesar do retorno, uma nova atualização deve ser exigida pela agência para ser cumprida em até dois anos, segundo reporta o Aerotime Hub.

Depois de voos de teste conduzidos em setembro, a EASA está realizando revisões de documentos finais antes de lançar uma Diretriz de Aeronavegabilidade que deve vigorar no próximo mês, disse Patrick Ky, diretor executivo da Agência.

Após o lançamento da Diretriz, haverá um período de quatro semanas de comentários públicos sobre a atualização, relacionada a um terceiro sensor para adicionar redundância ao modelo de aeronave, disse ele.

A solução baseada em software será necessária na variante maior 737 MAX-10 antes de sua estreia prevista para 2022, mas será adaptada para as outras versões.

“Nossa análise está mostrando que isso é seguro e que o nível de segurança alcançado é alto o suficiente para nós”, disse Patrick à Bloomberg. “O que discutimos com a Boeing é o fato de que, com o terceiro sensor, poderíamos alcançar níveis de segurança ainda mais altos.”

Os comentários marcam o endosso mais firme já feito pela EASA na direção da liberação do 737 MAX até o final do ano, após vários atrasos e contratempos.

Embora a Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA), o principal organismo de certificação da Boeing, esteja mais adiantado em sua revisão, ela evitou fazer previsões sobre o momento da liberação.

O chefe da FAA, Steve Dickson, voou no MAX no final do mês passado e disse que estava “muito confortável”, mas o processo ainda não foi concluído.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Juízas perderam voo: ex-diretor da Anac diz que condenação da Latam...

0
Em janeiro deste ano, o 2º Juizado Especial Cível de Niterói condenou a Latam a pagar R$ 74 mil a duas juízas que erraram o aeroporto